Seminário discute violência contra as mulheres

Seminário
Mulheres e homens de diferentes tradições de fé, organizações parceiras e poder público participaram dos dois dias de seminário.
Desvelara violência simbólica contra a mulher em espaços religiosos, desconstruir os modelos de relações de gênero patriarcais e machistas legitimados pela religião e construir relações igualitárias e justas foram os desafios do Seminário Religião & Violência Contra a Mulher, realizado pela Rede Religiosa de Proteção à Mulher Vítima de Violência nos dias 21 e 22 de novembro, na capital paulista.

A iniciativa surgiu da necessidade de trabalhar o tema da violência de gênero dentro das comunidades religiosas que, tradicionalmente, legitimam esses atos por meio de uma cultura de fé patriarcal, ainda que a presença feminina seja majoritária nestes espaços.

Mulheres e homens de diferentes tradições de fé, organizações parceiras e poder público participaram dos dois dias de seminário, que se iniciou com uma mesa de abertura composta por Nilza Menezes, doutora em Ciências da Religião e coordenadora do grupo de estudos de gênero e religião da Universidade Metodista, que trouxe os aspectos da violência de gênero através da perspectiva da religião afro-brasileira.

A Professora Sandra Duarte também participou da mesa com a perspectiva do cristianismo e o Rev. Arthur Cavalcante apresentou o compromisso institucional que a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil fez para o combate à violência contra a mulher.

Para Ghe Santos, militante pelos direitos LGBT, ver a Iyá Cristina d’Osun – uma das palestrantes – descalça, com os pés no chão, para falar sobre a violência doméstica que mulheres afro-brasileiras passam todos os dias foi um dos momentos que mais chamaram sua atenção. “Pés no chão em respeito às vítimas e aos Orixás, como um sinal de humildade enorme e tamanha”, afirmou.

A Rede Religiosa de Proteção à Mulher Vítima de Violência acredita e aposta no potencial das comunidades religiosas como espaços de acolhimento, informação e prevenção quando falamos de violência contra a mulher. De acordo com Nancy Cardoso, teóloga feminista, o encontro foi repleto de conhecimentos acadêmicos, técnicos e de vidas vividas e marcadas pela violência de gênero, que com fé buscam a superação. “Foi um evento ‘abenssonhado, como proclamamos no encerramento. Terminamos com um desafio e propósito de realizarmos formações focadas e com propostas de renovação e mudanças”, relata Nancy.  

Desde o ano passado, KOINONIA realizou rodas de conversa com a participação de mulheres e homens, lideranças e leigos de diferentes tradições religiosas e percebe o quanto o tema é inerente e imprescindível. As reações dos(as) participantes reafirmam a necessidade de trabalhar com o tema e a importância de vincular a Rede Religiosa de Proteção às Mulheres Vítimas de Violência à Rede de Enfrentamento, preconizada pela Secretaria de Políticas para Mulheres.

O Seminário Religião & Violência contra a Mulher é uma realização de KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço, em parceria com Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, Paróquia Anglicana da Santíssima Trindade, Conselho Latino-Americano de Igrejas, Fundo de População das Nações Unidas, Christian Aid, Rede Ecumênica da Juventude e Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde.