Rio tem Encontro Estadual de Mudanças Climáticas e Justiça Social

13076559_1079023885502223_3878198681106563219_nOrganizado pelo Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social, o evento vai acontecer no dia 29 de abril, a partir das 9h, no auditório da Auditório da Escola Nacional de Saúde pública (Ensp) da Fiocruz, e espera reunir organizações, movimentos, pesquisadores e demais interessados nas conseqüências socioambientais das mudanças climáticas, especialmente no contexto urbano. O encontro responde ao desafio de articular um movimento plural no estado, juntando diferentes grupos que já têm produzido iniciativas e conhecimentos a respeito da crise ambiental a partir de suas experiências de enfrentamento.

Participarão atingidos por desastres socioambientais e grandes empreendimentos, removidos, grupos que trabalham com agroecologia, movimentos mobilizados em torno de melhores condições de saneamento, coletivos de juventude popular e demais representantes das lutas contemporâneas por justiça socioambiental. A ideia é, nessa diversidade de práticas ativistas, encontrar ou fortalecer a identificação com a questão das mudanças climáticas e seus múltiplos pontos de desafio e de engajamento.

Na programação, a manhã será destinada a um painel onde falam o pesquisador de saúde ambiental e saúde do trabalhador da Fiocruz, Marcelo Firpo, a coordenadora de Justiça Socioambiental da Fundação Heinrich Böll, Maureen Santos, o representante do Fórum dos Atingidos pela Indústria do Petróleo da Baía de Guanabara, Yoshiharu Saito, a jornalista do blog Nova Ética Social/G1, Amelia Gonzalez, e o membro da Cáritas – DF e do Fórum Nacional de Mudanças Climáticas e Justiça Social, João Paulo Silva Couto, estimulando a discussão sobre perspectivas para as lutas socioambientais no Rio de Janeiro. Os palestrantes vão dialogar com questões enviadas pela plateia antes do evento (para enviar uma pergunta é só se inscrever aqui. A inscrição é necessária para participar do encontro).  Na parte da tarde, os participantes devem se organizar em grupos temáticos para discutir possibilidades de articulação e propostas para a edição regional do evento, prevista para junho desse ano. 

O Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social é uma rede de organizações que busca contribuir com a formulação de políticas de proteção ao clima no Brasil, responsabilizando o poder público, além de produzir e difundir conhecimento sobre tema. Fazem parte entidades como Ibase, Fase, Cáritas, Koinonia, Iser, Movimento dos Pequenos Agricultores, CNBB, Comissão Pastoral da Terra, Monades, CDDH – Petrópolis, ENSP-FIOCRUZ, IFHEP-Campo Grande e Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE).