Muitos são os que apoiam KOINONIA

KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço

A partir de quinta-feira, dia 30, foi citado por inúmeros veículos da grande imprensa o convênio de KOINONIA com o Ministério da Saúde para realização de um projeto de capacitação de jovens em prevenção de doenças DSTs. Ao mesmo tempo, KOINONIA recebeu diversas manifestações de pessoas e organizações parceiras que afirmaram a idoneidade da organização neste caso e em seus 20 anos de existência. Mais de 40 matérias sobre o caso foram publicadas, durante três dias, mas apenas dois depoimentos de crítica a conduta da imprensa e apoio a KOINONIA foram mencionados pela grande mídia. Por isso reproduzimos abaixo algumas mensagens recebidas e expressamos nosso forte agradecimento a todas e todos pelo apoio, reafirmando que continuaremos prestando serviços a grupos histórica e culturalmente vulneráveis de forma incansável transparente.

Para saber mais sobre o caso leia nossa Nota Pública aos parceiros e à imprensa.
 

Depoimentos:

Essa ONG foi fundada em 1994, com a presença de outras pessoas além do pai do Ministro Padilha, Anivaldo Padilha. Mas também, por exemplo, com o Betinho. É uma ONG bastante respeitada”.

– Cristiana Lobo, jornalista, via Globo News (http://glo.bo/1baVnK2).

 

"Amigos e amigas: sou associado de KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço e garanto a autenticidade da carta do pai do Ministro Padilha, Anivaldo Padilha, em que ele renunciou ao cargo que ocupava na entidade exatamente para que não ocorresse a situação que a Folha de São Paulo erroneamente denuncia. Por favor, compartilhem este fato."

– Sérgio Marcus Pinto Lopesa, associado de KOINONIA, via Facebook de KOINONIA

 

“Ontem a FOLHA DE SÃO PAULO, começou sua temporada de "caça as bruxas" queimando toda biografia e buscando "pelo em ovo" dos adversários do seu candidato, Geraldo Alckmin. Durante essas semanas que passaram buscou camuflar ao máximo o nome de Alckmin e de seu secretário Andrea Matarazzo do esquema de fraude da SIEMENS e DO CARTEL DO METRO.

A acusação inverdadeira de sua parte veio atacando o companheiro Anivaldo Padilha e uma importante organização do movimento ecumênico na luta por Direitos: KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço.

Com a notícia publicada pela Folha de São Paulo, há uma insinuação que o contrato assinado entre o Ministério da Saúde e KOINONIA foi resultado de uma influência familiar. Para a Folha, o problema reside no fato do ministro da saúde, Alexandre Padilha, ser filho de Anivaldo Padilha, um dos fundadores de KOINONIA e secretário de planejamento da organização entre janeiro de 2007 e setembro de 2009, ano em que Alexandre Padilha assumiria o Ministério de Relações Institucionais do Governo Lula e, por isto, Anivaldo Padilha se afastaria de suas funções.

KOINONIA como organização da sociedade civil travou uma longa luta desde 1990 pela busca de espaços que confluem no debate, na informação e na busca por cidadania integral. Idônea, sempre lutou pela dignidade das pessoas que vivem com AIDS. Produziu uma grande publicação chamada AIDS e as Igrejas. Lutou pelos direitos da juventude e dedica-se amplamente ao debate da mulher e das comunidades quilombolas.

Anivaldo é um ex preso político, do movimento ecumênico, coordenador do GT Igrejas e a Ditadura Militar da Comissão da Verdade Nacional.

Conheço Anivaldo e KOINONIA, porque caminhamos juntos na busca de um mundo igual e solidário. Um mundo na construção de uma casa comum. O mundo que os interesses dos mais pequenos sejam postos em primeira ordem. É isso o que fazem/sonham e vivem esses dois acusados injustamente pela oportunista da Folha de São Paulo”.

– Eduardo Brasileiro, militante da Pastoral da Juventude, via Facebook de KOINONIA.

 

Senhora jornalista.
Com todo o respeito que lhe é devido como profissional da área da comunicação e como ombudsman do jornal Folha de São Paulo, peço-lhe vênia para lembrar-lhe a necessidade de que os que escrevem para este órgão de imprensa exerçam esta responsabilidade com o devido critério para que não o lancem no ridículo redigindo e publicando matérias tão facilmente denunciáveis como falsas e tendenciosas. Já corre pelas redes sociais – vale dizer, chegando a milhares de pessoas, um número extremamente maior que o dos leitores da Folha – a cópia da carta assinada pelo pai do Ministro Padilha em que ele renuncia ao cargo que ocupava na liderança de Koinonia exatamente para não ocorrer a situação que a desinformada Folha denuncia. É uma vergonha que isto ocorra com um periódico que se afirma de ponta e que não pode deixar de ser lido pelo povo brasileiro. Isto atenta contra a credibilidade do jornal.
Atenciosamente,

– Sérgio Marcus Pinto Lopes, associado de KOINONIA, via email

 

“Somamos nossas vozes ao nosso companheiro de fé, Anivaldo Padilha, e ao Bispo honorário Paulo Ayres, em defesa de KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço pelos ataques mentirosos que a organização ecumênica tem sofrido da mídia”.

– Igreja Metodista em Vila Mariana, via Facebook de KOINONIA.

 

Pessoas do bem, quero manifestar minha solidariedade e reconhecimento aos relevantes serviços prestado a sociedade, imbuída na construção de uma reeducação com respeito à sexualidade e a diversidade religiosa”.

– Edson Axé via Facebook de KOINONIA

 

Conheço a KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço, entidade séria e comprometida com a transformação social e politica desse país, assistindo a matéria na Globo tive nojo de ver a forma como essa mídia manipuladora distorce os fatos. Aos meus amigos e conhecidos meu apoio e solidariedade #folhamente”

– Gilson Dias via Facebook de KOINONIA

 

“O desserviço da mídia brasileira é incrível. A gente só percebe, quando bate em situações e pessoas que conhecemos. A Folha de S. Paulo de hoje traz a seguinte manchete: "Padilha assina convênio com ONG fundada pelo pai antes de deixar o comando do Ministério da Saúde". É clara a interpretação de quem lê e não conhece as partes. O ministro estaria "beneficiando" familiares, caixa 2, corrupção… E mais uma série de palavras que vem em nossa cabeça quando pensamos em política. Só que, desta vez, não é bem assim.

Às vésperas das eleições estaduais, onde o PSDB manda há quase 20 anos, a mídia partidarista e oportunista, lança uma grande mentira. KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço é uma antiga instituição ecumênica, mais de duas décadas de atuação, de serviço à democracia e aos valores do movimento ecumênico. Pena que o ódio à um modelo de governo e a manipulação da grande mídia, faz com que vozes se somem a um grito de preconceito e mentira, com claros interesses políticos. Se nesta situação vemos a clara manipulação das notícias, fico pensando quantas outras nós não conseguimos. E aí fica o meu apoio. Viva Padilha. Viva KOINONIA”.

– Alexandre Pupo Quintino, metodista da Rede Ecumênica da Juventude (REJU) via Facebook de KOINONIA.

 

“É um absurdo os mecanismos que a mídia golpista já está usando em sua campanha para o governo do estado de São Paulo. Matéria de hoje denegrindo KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço e o histórico militante do movimento ecumênico Anivaldo Padilha em um total desrespeito com a história de ambos, e de todas igrejas envolvidas com Koinonia em uma campanha clara contra Alexandre Padilha (Pré-candidato ao governo de SP pelo PT)”.

– Rodolfo Fuchs, Coordenador da Juventude da IECLB, via Facebook de KOINONIA.

 

“A manipulação da noticia feita pela Folha de SP mostra de forma evidente que você poder distorcer o conteúdo e assim denegrir a imagem de uma organização e de um indivíduo. KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço e o Anivaldo Padilha tem históricos de ação e transformação na sociedade brasileira e com ética e honestidade. Denegrir a imagem de indivíduos e organização honestas apenas por interesses políticos lembra as piores ditaduras do século XX. Triste caminho da imprensa brasileira!! Anivaldo, estamos contigo!”

– Marcos Custodio via Facebook de KOINONIA.

 

“Folha de São Paulo divulgou hoje uma reportagem com o título "Padilha assina convênio com ONG fundada pelo pai". A reportagem não exibiu uma única irregularidade. Inclusive pelo fato da "ong" referida, no caso KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço já manter diversos convênios com o governo federal desde antes da entrada de Alexandre Padilha na secretaria de relações institucionais. Os convênios com o governo federal datam de 1998 (desde a época de FHC) e Alexandre Padilha tornou-se integrante do governo em 2009 (onze anos depois).

Conheço pessoalmente e tenho por grandes amigos o Anivaldo Padilha e o bispo Paulo Ayres Mattos, pessoas do mais alto padrão moral e espiritual, trabalhadores do Reino de Deus, lutadores em favor dos necessitados e oprimidos. KOINONIA foi fundado pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, o escritor Rubem Alves e o educador Carlos Brandão, entre muitos outros e atua nas áreas de saúde, combate ao racismo, direitos civis e humanos e liberdades religiosas”.

– Fábio Martellozo Mendes, metodista via Facebook de KOINONIA.

 

"Me sinto na obrigação de manifestar minha decepção quando o jornalismo se torna vil, insensato e danoso! Quando não cumpre sua função de comunicar com imparcialidade e transparência! A notícia que saiu hoje na capa da Folha de São Paulo, de péssima investigação dos fatos, aliás, pode manchar um trabalho sério e comprometido com a igualdade de direitos e a luta no combate ao HIV/AIDS em nosso país. KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço é uma instituição que merece todo o nosso apoio e respeito pela forma fiel e responsável com as quais desenvolvem suas atividades. Muito tem feito em prol de uma sociedade justa e digna. Tem meu apoio e solidariedade nesta empreitada de esclarecer os fatos e manter límpido e íntegro um belo trabalho que conheço de perto".

– Frei Brayan Filipe do Serviço Franciscano de Solidariedade – Sefras via Facebook de KOINONIA.

 

"A Folha de São Paulo publicou, hoje, uma notícia sobre a assinatura de um contrato entre o Ministério da Saúde e KOINONIA, uma importante organização do movimento ecumênico na luta por Direitos. KOINONIA tem uma longa experiência com a questão do HIV/AIDS, possui um Programa Saúde & Direitos e um significativo projeto: AIDS e Igrejas, além de um trabalho com juventudes, com mulheres, com quilombos e comunidades tradicionais.

A Folha seguiu um caminho de insinuação, uma acusação sobre uma influência de Anivaldo Padilha na escolha da organização pelo Ministério da Saúde. Sendo que escolha do projeto segue critérios técnicos.  A Folha seguiu o seu rumo – que todos conhecemos – em relação à disputa eleitoral de 2014. Uma mistura de jornalismo tacanho com o alinhamento político ao PSDB, que domina São Paulo há 20 anos.

Novamente, KOINONIA recebe acusações infundadas da Mídia, numa tentativa clara de deslegitimar um trabalho pautado pela busca incessante da justiça e de uma vida digna para todas as pessoas. Em outro momento, a acusação infundada veio do Noblat, por KOINONIA se colocar ao lado do Quilombo da Marambaia, numa disputa com a Marinha.

Anivaldo Padilha – que se afastou das suas funções em KOINONIA em 2009 quando Alexandre assumiria como ministro – é um companheiro da causa ecumênica, mestre de tod@s nós que construímos a REJU. Ex-preso político, atualmente coordena os trabalhos do GT Igrejas e a Ditadura Militar, da Comissão Nacional da Verdade.

Acusações infundadas, sem constatação de nenhuma irregularidade, como estas que a Folha de São Paulo apresentou hoje, nos fazem sempre caminhar pela DEMOCRATIZAÇÂO dos meio de comunicação, por uma mídia que reconheça a pluralidade de perspectivas e que não seja orientada por um oligopólio que serve aos interesses dos mesmos grupos políticos que sustentam desigualdades e injustiças em nosso País. Não passarão!"

– Daniel Souza, membro do CONJUVE e facilitador nacional da Rede Ecumênica da Juventude, via Facebook de KOINONIA.

 

"Apenas pra desconstruir a matéria tendenciosa da Folha. Conheço o belo trabalho de KOINONIA, bem como um pouco da combativa trajetória de defensor dos direitos humanos de Anivaldo."

– Beto Volpe, ativista do movimento LGBT e das pessoas que vivem e convivem com HIV Aids via Facebook de Beto Volpe.

 

"Considero importante informar que nós do Crt Dst Aids desenvolvemos um trabalho articulado com o KOINONIA deste 2002, com efetiva participação de seus membros no nosso GT AIDS E RELIGIÕES . Temos ainda importantes publicações conjuntas na área de prevenção as DST-AIDS e religiões. O trabalho desenvolvido pelo KOINONIA tem contribuído para o enfrentamento da epidemia em nosso estado. Os projetos financiados pelo Ministério da Saúde na área de DST-AIDS para as ONGs são monitorados pela nossa equipe em conjunto com as secretarias municipais de saúde".

– Maria Clara Gianna, coordenadora do Programa Estadual de DST Aids de São Paulo, via Facebook de Maria Clara Gianna.

 

“A CESE, Coordenadoria Ecumênica de Serviço, entidade nacional sediada em Salvador, Bahia, e que completou 40 anos de atuação em 2013, acompanha a trajetória de KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço desde sua fundação há 20 anos.

Conhecendo de perto suas ações em diversas áreas, a CESE pode atestar sua competência, idoneidade e dedicação na defesa intransigente da justiça, de melhores condições de vida para a população brasileira, em especial aos setores mais marginalizados. Tem sido assim na área de saúde, com reconhecimento de seu trabalho na prevenção da AIDS, pelo governo do Estado de São Paulo, também na batalha contra a intolerância religiosa na Bahia e no Rio de Janeiro, apoio a setores rurais e juventude na prevenção contra as drogas e violência no Vale do São Francisco, aos quilombolas e povos indígenas em várias circunstâncias e regiões, sendo esses apenas alguns exemplos de seu empenho.

Lamentamos que uma vez mais a Folha de São Paulo, importante veículo de comunicação, se preste a fortalecer o processo de criminalização das ONGs. Essa questão vem sendo abordada por diversas organizações nacionais e internacionais e foi foco da Nota pública “Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil e o Controle Da Corrupção – O que está por trás do descaso do Governo?",assinada por 52 redes e 232 entidades no final de setembro passado.

Não tem sido fácil para as organizações da sociedade civil se adequarem às exigências dos convênios e, quando conseguem êxito nos editais, encontra-se um motivo para questionamento. O próprio artigo da FSP assinala que Anivaldo Padilha, pai do Ministro da Saúde, se desligou da direção de KOINONIA quando o filho assumiu o comando da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, em 2009, para "cumprir o que determina a legislação e evitar qualquer tipo de conflito de interesse ou prejudicar a continuidade dos programas". Não deveria ser considerado esse comportamento ético?

Finalmente, queremos chamar a atenção para a urgência de um novo marco regulatório da relação das organizações da sociedade civil com o governo, para que se possa avançar na realização de importantes políticas públicas e reconhecendo a necessidade de uma justa colaboração entre Estado e Sociedade para a promoção e garantia de direitos às populações desfavorecidas em nosso país”.

– Sônia Gomes Mota , Diretora Executiva via Facebook da CESE – Coordenadoria Ecumênica de Serviço.

 

“A Rede Ecumênica de Juventude (REJU) declara publicamente nossa repulsa ante as recentes manifestações de setores da imprensa, que colocaram em jogo a idoneidade de KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço, uma importante organização do movimento ecumênico na luta por Direitos. KOINONIA tem uma longa experiência com o trabalho de prevenção do HIV/AIDS, possui um Programa Saúde & Direitos e um significativo projeto: AIDS e Igrejas, além de um trabalho com juventudes, com mulheres, com quilombos e comunidades tradicionais.

Com a notícia publicada pela Folha de São Paulo, há uma insinuação que o contrato assinado entre o Ministério da Saúde e KOINONIA foi resultado de uma influência familiar. Para a Folha, o problema reside no fato do ministro da saúde, Alexandre Padilha, ser filho de Anivaldo Padilha, um dos fundadores de KOINONIA e secretário de planejamento da organização entre janeiro de 2007 e setembro de 2009, ano em que Alexandre Padilha assumiria o Ministério de Relações Institucionais do Governo Lula.

Entendemos que KOINONIA – enquanto Organização da Sociedade Civil – tem total liberdade de participar dos editais de origem governamental ou não. Desse modo, não acreditamos que o parentesco entre o ministro da saúde e o ex-secretário da organização seja motivo suficiente para impedir a manutenção desta importante parceria na prevenção do HIV/AIDS. Como se sabe, a aprovação em editais segue critérios técnicos rigorosos, pelos quais KOINONIA foi aprovada. Além disto, como divulgado em Nota Pública, assinada por seu diretor executivo, Rafael Soares, durante esses 20 anos, KOINONIA firmou convênios, parcerias e contratos de cooperação com organismos internacionais e grande parte da receita da entidade é obtida por meio do financiamento de organizações internacionais. Em 2013, por exemplo, do total do orçamento de KOINONIA, 85,96% foi composto por doações internacionais e nacionais não-governamentais. Os recursos governamentais compuseram 14,04% da receita.

Novamente, KOINONIA recebe acusações infundadas da Mídia, numa tentativa clara de deslegitimar um trabalho pautado pela busca incessante da justiça e de uma vida digna para todas as pessoas. Em outro momento, a acusação infundada veio em relação ao trabalho que esta organização realiza com Quilombos. KOINONIA trabalha com o Quilombo da Marambaia, que está numa grande disputa com a Marinha. Essas tentativas midiáticas seguem um movimento antigo no Brasil: a criminalização dos movimentos sociais e das organizações da sociedade civil.

Anivaldo Padilha é um companheiro da causa ecumênica, mestre de tod@s nós que construímos a REJU. Ex-preso político, atualmente coordena os trabalhos do GT Igrejas e a Ditadura Militar, da Comissão Nacional da Verdade. KOINONIA é uma das organizações que fomentam e apoiam grandemente a REJU em sua mobilização em prol da garantia dos direitos das juventudes. Conhecemos a sua atuação, não por boatos e factoides, mas por caminharmos juntos na construção de uma casa comum guiada pela solidariedade e comunhão.

Acusações infundadas, sem constatação de nenhuma irregularidade, como estas que a Folha de São Paulo apresentou ontem, nos fazem sempre caminhar pela democratização dos meios de comunicação, por uma mídia que reconheça a pluralidade de perspectivas e que não seja orientada por um oligopólio que serve aos interesses dos mesmos grupos políticos que sustentam desigualdades e injustiças em nosso País.

Solidariedade à KOINONIA! Solidariedade a Anivaldo Padilha!”

– Rede Ecumênica da Juventude (REJU) via Facebook da Rede Ecumênica da Juventude

diante do comportamento antidemocrático e falto de ética da Folha de SP,
quero pela presente lhe manifestar minha solidariedade e da EQUIT num
momento difícil que seguramente terá abalado, a você e toda equipe.
O dano que causam tais insinuações e difamação é muito dificil de ser
dimensionado porque inclui dimensões objetivas mas também subjetivas, de
quem tem interesse e compromisso alem do técnico e que revertem não só
para Koinonia, como também para o campo das ONGS,  e como vc bem disse,
acabam fazendo perder a própria sociedade.

Um abraço carinhoso e contem com nosso apoio.

– Graciela e equipe EQUIT, via email

Confira mais depoimentos de apoio a KOINONIA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.