KOINONIA presente na Romaria dos Mártires da Caminhada: a celebração da luta dos mártires de cada dia

IMG_1743A cidade de Ribeirão Cascalheiras, localizada a 900 km de Cuiabá, capital de Mato Grosso, acolheu, nos dias 16 e 17 de julho, a Romaria dos Mártires da Caminhada, na Prelazia de São Félix do Araguaia. O evento fez memória aos 40 anos do martírio do Padre João Bosco Burnier, do Padre Rodolfo Lunkenbein e do índio Simão Bororo, mártires das causas sociais.  As milhares de pessoas presentes vivenciaram como tema da romaria “Profetas do Reino”, dando à profecia as três funções que a caracterizam: Anúncio, Denúncia e Consolo.
 
O evento foi realizado pela Igreja de São Felix do Araguaia e todas as igrejas que fazem viva a memória daqueles e daquelas que deram e vem dando suas vidas pelas Causas do Reino: causa da casa, da terra e dos direitos humanos. Causa dos povos indígenas, quilombolas, camponeses/as, juventudes, crianças, adolescentes, mulheres e população em situação de rua. Reconhecendo também a multidão dos mártires de nossos dias, homens e mulheres, religiosos e leigos, que deram suas vidas pelas causas, denunciando as injustiças e anunciando a libertação para estas populações.
 
Cristiane Alves, que tem seu trabalho em KOINONIA ligado ao eixo temático Direitos das Mulheres e da População LGBTT, esteve presente apoiando as causas. “Ir ao sertão celebrar a luta pelo povo e pela vida, unindo-a ao testemunho dos nossos mártires, alimenta a utopia e a esperança de uma sociedade mais justa”, comenta, com entusiasmo, a experiência.
 IMG_1664
A participação também se deu por meio de manifestações pelo combate de intolerâncias – sexuais e de gênero, religiosas e raciais. Convidados carregaram placas reafirmando que suas lutas e transmitindo mensagens de bem querer.
 
Como prova viva da manifestação contra a intolerância e a luta pela igualdade, Dom Pedro Casaldáliga, bispo emérito da Prelazia de São Félix do Araguaia participou da vigília martirial. Profeta dos povos indígenas e das populações ribeirinhas, é resistência contra o agronegócio e contra o conservadorismo no Congresso Nacional.
 
O evento, que acontece a cada cinco anos, reúne romeiros de toda parte do mundo para fazer memória das muitas testemunhas que anunciaram o amor e o viveram até a doação de suas próprias vidas pelo martírio.