Equipe do Transcidadania participa de encontro sobre acolhimento da população T e abuso de drogas

No dia 23, Symmy Larrat, assistente de coordenação do Transcidadania, participou do encontro “Tecendo as redes de cuidado familiar”, do programa estadual Recomeço Família, no Centro de Referência de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod), na região da Luz, SP.

O tema da conversa foi “Relação entre identidade de gênero e abuso de drogas” e Symmy falou sobre identidade de gênero e orientação sexual. Outra das palestrantes, a psicopedagoga do Cratod, Ariadne Ribeito, falou do tema do ponto de vista da área da saúde. symmy abordou a rejeição e violência, em geral, sofrida desde muito cedo por transexuais e travestis) em suas próprias famílias. A assistente de coordenação falou ainda de como as frustrações decorrentes desse tipo de situação podem ser depositadas em vícios em drogas ou álcool, posteriormente.

“A identidade de gênero está ligada a quem eu sou e como eu me reconheço, porém, nossa sociedade é patriarcal, e a figura do homem e mulher é bem definida pelos órgãos genitais, ou seja, o lugar onde nós recebemos a primeira violação de direitos humanos é na família, pois é pecado, é amoral, e a família não foi ensinada a acolher essa pessoa. Logo, ou essa pessoa é expulsa de casa, ou vive uma verdadeira tortura psicológica dentro da família”, diz Symmy.

Uma outra questão importante no debate foi o atendimento da população T nos serviços públicos. A falta de uma regulação das instituições públicas, nesse sentido, acaba fazendo com que elas reproduzam a discriminação do conjunto da sociedade, negando dessa forma direitos básicos.