Declaração de Cochabamba

Manoela Vianna

Aconteceu em Cochabamba, Bolívia, no final de abril, o “Encuentro de lideres de iglesias Cristianas en respuestas al VIH y Sida de Latino América“, conforme noticiamos na semana passada [S&D na Bolívia].

O evento foi organizado pelo Instituto para o Desenvolvimento Humano e financiado por Christian Aid. Ester Almeida, assessora do Programa Saúde e Direitos, esteve no encontro e é uma das signatárias da Declaração de Cochabamba, carta final do evento, que reproduzimos abaixo.  

DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA
A IGLEJA CONVIVE COM O VIH

Nós lideres cristãos da América Latina comprometidos na construção de uma resposta ao desafio que o HIV e Aids apresenta, reunidos na cidade de Cochabamba, Bolívia, entre os dias 28 a 30 de abril de 2008, partilhamos nossas experiências de comunhão, reflexão e proposta de ação, reconhecendo e confessando que queremos superar nossos silêncios e difundir informação adequada para a contenção da epidemia e para a superação do estigma da discriminação e do preconceito.

Movidos pela ação do Espírito Santo e pelo Evangelho de Jesus Cristo que nos ajuda a fazer uma releitura do contexto político, econômico, social e religioso, dominado pela ideologia neoliberal, que oprime, explora, gera e mantém pobreza, injustiça, exclusão convertendo a nossos povos vulneráveis ao HIV e Aids, privados de serviços básicos de saúde e educação.

Com o desejo de romper o nosso silêncio, queremos construir uma pastoral centrada na pessoa e não na doença. Queremos reconhecê-la desde sua dignidade, diversidade e identidade. Somos criados a imagem e semelhança de Deus e confessamos que todos somos filhos e filhas de Deus, portanto devemos viver em comunidades evangelicamente inclusivas.

Na Trindade, Deus se apresenta único e diverso ao mesmo tempo. Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo. Pessoas diferentes em uma só realidade. Esta comunhão é um modelo que fundamenta nosso compromisso pelo respeito à diversidade humana.

Nossas ações cotidianas têm que ser uma expressão visível das mesas de comunhão de Jesus Cristo. Sentar-se junto às e os excluídos e estigmatizados é cumprir um mandamento de Jesus, que nos convoca a viver numa comunidade radicalmente inclusiva. Quando somos coerentes com esta prática de Jesus, o Cristo de Deus, acolhemos incondicionalmente em nossas comunidades a todas as pessoas que vivem com HIV e Aids

Jesus tem evangelizado o seu povo desde as e os excluídos, estigmatizados de seu tempo e de sua comunidade de fé.
Somos seguidores e seguidoras de Jesus e por isso nossas práticas pastorais, nossas mensagens teológicas não devem contradizer a essência do Evangelho. È por isto que em nosso caminhar junto com as pessoas e grupos em situação de vulnerabilidade ao HIV e Aids nos despojamos de todo sinal de poder e de superioridade, realizamos uma renovada leitura das Escrituras, iniciamos um processo de conversão pessoal e institucional.

Neste contexto da crise do HIV e Aids estamos chamados e chamadas a desenvolver uma teologia do amor e do cuidado da vida. Este amor nos tem de levar a transgredir barreiras do egoísmo humano, das cegueiras sociais e superar prejuízos culturais. Esta teologia do amor nos conduzirá a aqueles espaços aos que ninguém quer ir e caminhar junto a pessoas e grupos com os quais ninguém quer estar.

Declaramos
1. Que nosso Encontro é a continuidade de um processo de respostas das diversas igrejas que se tem realizado nos últimos anos com acertos e desacertos.
2. Nosso compromisso de promover uma releitura dos fundamentos bíblicos e teológicos a partir de uma realidade que nos interpela para uma ação pastoral mais comprometida.
3. Queremos viver o evangelho de amor e justiça, que promova a dignidade, a inclusão, o respeito, proclame a misericórdia, promovendo a vida de forma integral com capacidade de escuta e sem prejuízo.
4. Queremos superar situações de estigma e discriminação na Igreja e na sociedade. Comprometemo-nos a assumir um papel profético que denuncie estas discriminações que repercuta em incidência em políticas públicas e a transformação de nossas próprias comunidades de fé.
5. Que não queremos mais falar de eles e elas, de nós e nossas, porque reconhecemos que a mesma Igreja tem HIV e AIDS, como disse São Paulo se sofre um membro, todos sofrem com ele (1 Cor. 12, 26) Com esta linguagem inclusiva queremos dar visibilidade e respaldar a todos nossos irmãos e irmãs de nossas comunidades ou fora de elas que vivem com HIV, porque estamos todos e todas afetados.
6. Comprometemo-nos a manter ações de acompanhamento que não seja nem assistencialista, nem paternalista, respeitando a liberdade dos seres humanos, reconhecendo o ativo protagonismo de toda pessoa vivendo com HIV na obtenção deste compromisso.
7. Comprometemo-nos a trabalhar intensamente a prevenção num contexto amplo, digna do ser humano e respeitoso aos pluralismos socioculturais e religiosos.
8. Comprometemo-nos a realizar em nossas comunidades uma releitura do Evangelho que nos permita construir uma mensagem profética e libertadora, de misericórdia e inclusão, de solidariedade e justiça.
9. Nosso compromisso de romper nossas reclusões institucionais, intelectuais, teológicas e sociais, com a finalidade de criar espaços de inclusão onde não exista a discriminação, o estigma, nem prejuízo algum.
10. Reconhecemos a importância de abordar o tema gênero que revela as iniqüidades de poder em nossa sociedade e
em nossas Igrejas.
1
1. Que nosso propósito é promover comunidades que vivam o evangelho de uma forma desafiante, criativa e profética.
12. Comprometemo-nos à formação de líderes e a capacitar a nossas comunidades para um respeito dos direitos humanos, a uma educação adequada e a uma qualidade de vida integral.
Por isso propomos:
1. Dar continuidade a nossos compromissos, desenvolver espaços de articulação, intercâmbio de experiências e de recursos, fortalecer as relações de cooperação e planejamento.
2. Preparar lideranças homens e mulheres, para incidir na formulação de políticas publicas e exercer um monitoramento de sua aplicação.
3. Promover a vigilância social com o fim de assegurar o cumprimento de compromissos públicos que dão resposta ao HIV e Aids em nossos países.
4. Fomentar e estabelecer alianças estratégicas, de cooperação e de comunhão com as redes nacionais y regionais das pessoas vivendo com o HIV e AIDS a fim de unir esforços para uma resposta conjunta para o acesso oportuno livre e gratuito de medicamentos, a implementação do MIPA( Maior Envolvimento de Pessoas Afetadas), e fortalecer as capacidades das organizações de base.

Cochabamba, 30 de abril de 2008

Assinam a presente Declaração:

Ester Leite Lisboa de Almeida
Assessora do Programa Saúde e Direitos.
KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço
Igreja Presbiteriana Unida -Brasil

Pastor Lisandro Orlov
Pastoral Ecumênica VIH/Sida
Igreja Evangélica Luterana Unida
Argentina e Uruguai
Coordenador Regional para América Latina e Caribe do Plan de Acción en VIH y Sida dela Federación Luterana Mundial

Capitana Paulina Márquez
Secretaria Territorial de Social
Ejercito de Salvación
Chile

Revdo. David William Limo Pajar
Rosa Blanca
Anglicano – Perú

Pastor Cesar HenríquezMarapacuto
Acción Ecuménica
Igrejas Evangélicas Livres -Venezuela

Frei Luiz Carlos Lunardi
Pastoral de DST/AIDS CNBB
Igreja Católica -Brasil

Dr. Eduardo Campaña M.
Coordenador Programa VIH/Sida-CIEMAL
Consejo de Iglesias Evangélicas Metodistas de América Latinay el Caribe
Metodista – Ecuador

Prof. Damián QuispeC.
Presidente Comité Bolivia
Consejo Latinoamericano de Iglesias -CLAI

Monseñor Walter Pérez
Presidente Pastoral Salud
Conferencia Episcopal Boliviana
Iglesia Católica – Diócesis dePotosí

Padre FernandoManquelaf
Secretario Ejecutivo dela Pastoral de
la Salud
Conferencia
EpiscopalBoliviana
Iglesia Católica –
La Paz

Lic.
Ana Karina Tapia Quiroga
Coordinadora de Promoción Social
Arzobispado Cochabamba.

Lic. Naiber Willis
Resp. Programa VIH/Sida
Arzobispado Cochabamba.

Lic. Juan Castillo
Asesor Comunidad Cristiana Universitaria
Resp. Nal. RedEvangélica
Cochabamba.

Dr. Boris Zegarra Palma.
Especialista en Salud
Compassion Internacional -Bolivia

Lic. Marcelino Serrudo Martínez.
Coordinador compromiso cristiano y
Canales Esperanza VIH ySida
Visión Mundial -Bolivia

Lic. Lidia EncinasFerrufino
Resp. Proyecto VIH/Sida
PDA Santibáñez – VisiónMundial
Cochabamba.

Lic. Efraín ChambiVargas
Responsable Proyecto VIH/Sida
Iglesia Evangélica LuteranaBoliviana

Lic. Noemí Cusicanqui.
Responsable Proyecto VIH/Sida
Iglesia Evangélica LuteranaBoliviana

Lic. Jeane M. GoytiaFerraz.
Coordinadora Pedagógica dePATSIDA
Bolivia

Rev. Cristóbal Alejo Fernández
Presidente Iglesia Evangélica LuteranaBoliviana
Bolivia

Prof. Daniel Ruiz Diaz.
Presidente Vivo en Positivo
Punto Focal de Bolivia para
la
Red Latinoamericana
de personas que viven con VIH.
RedBol

Hna.Ivone Almeida Martins
Coordinadora Pastoral dela Salud
Conferencia Boliviana de Religiosos y Religiosas.
Iglesia Católica -Bolivia.

Emma Donlan
Oficial de Programas para Bolivia
Christian Aid

Karen Luyckx
Representante para Bolivia
Agencia dela Iglesia Católica de Inglaterra y el
País de Gales para el Desarrollo
CAFOD

Pilar Illanes
Oficial de Programas para Bolivia
Agencia Católica Irlandesa para el Desarrollo
Trocaire

Pastor James Matarazzo. Jr
Director,Gerencia y Fomento
Inerela +
Iglesia Unida de Cristo EEUU

Lic.Hernán Medrano
Miembro Iglesia Evangélica Pentecostal.
Cochabamba.

Lic.Marcela Cabezas.
Resp.Región Valles – ICW
Internacional Comunnity Woman
RedBol

 

Faça o dowload do arquivo e leia a declaração original em língua espanhola.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.