Conferência aprova propostas para promoção de juventude

Marcia Evangelista de Souza

Dois mil delegados estiveram reunidos de 27 a 30 de abril, em Brasília, na 1ª Conferência Nacional da Juventude, promovida pela Secretaria Nacional da Juventude, órgão do governo federal.

No Brasil, um quarto da população do país, cerca de 50,5 milhões de pessoas, tem entre 15 e 29 anos de idade, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O documento base de preparação da Conferência admite que o Estado não se preparou para receber de forma adequada esse contingente de jovens, e que a oferta de bens e serviços públicos é insuficiente para atender toda a demanda.

Dos encontros preparatórios realizados nos sete meses que antecederam o evento, jovens de todo o Brasil analisaram e debateram 4.500 propostas, das quais saíram as 22 aprovadas pela 1ª Conferência Nacional da Juventude e que serão transformadas em um caderno de resoluções que servirá de referência para orientar a política nacional de juventude.

A proposta mais votada no evento vem do movimento negro, que pede, entre outros, políticas públicas para a superação de todas as formas de preconceito e discriminação quanto à cor, etnia, raça, gênero, orientação sexual, condição sócio-econômica, convicções políticas e religiosas.

A Conferência contou ainda com um bom número de jovens evangélicos que em encontros regionais preparatórios à Conferência Nacional enfatizaram três propostas, de alguma forma incorporadas entre as 22 aprovadas: a reforma educacional, a institucionalização do tema juventude no Estado brasileiro e a valorização da diversidade cultural.

Entre as reivindicações dos jovens delegados estão a criação de uma política nacional de juventude e meio-ambiente; a ampliação e qualificação de programas e projetos de esportes; a garantia do acesso à terra para jovens do meio rural, na faixa etária dos 16 aos 31 anos, independente do estado civil, por meio da reforma agrária; e a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais. A legalização do aborto integra a proposta que solicita a implementação de políticas públicas que promovam os direitos sexuais e reprodutivos das jovens mulheres, garantindo mecanismos que evitem mortes maternas e apliquem a lei do planejamento familiar, com acesso a métodos contraceptivos.

O jovem Thiago Santos Gomes – Coordenador da comissão de jovens do Sindicato de Trabalhadoras e Trabalhadores de São José da Tapera, membro da Comissão Estadual de Jovens Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Alagoas, Coordenação do Coletivo de Jovens do Sertão de Alagoas e membro da Coordenação da Rede Ecumênica de Juventude do Nordeste – foi um dos delegados da Conferência. Thiago, que é monitor do Curso de Agentes Culturais em Alagoas e multiplicador do Programa Saúde Direitos – Programas de KOINONIA -, participou da convocação das Conferências Livres de caráter eletivo nos municípios de São Jose da Tapera, Ouro branco, Pão de açúcar, Palestina, Inhapí e em municípios do agreste do estado de Alagoas. Dessas Conferências foram eleitos delegados para a Conferência Estadual, onde Thiago foi eleito, juntamente com outros delegados, para representar os jovens alagoanos na Conferência Nacional.

* Com dados da Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.