Chamado ao compromisso marca abertura da assembleia geral de ACT Aliança

Foto: Sean Hawkey/ACT Alliance
Foto: Sean Hawkey/ACT Alliance
A II Assembleia Geral da aliança global cristã para ajuda humanitária, apoio ao desenvolvimento e incidência foi aberta em Punta Cana, República Dominicana, no dia 21 de outubro, com um chamado ao fortalecimento do compromisso por uma colaboração mais efetiva levando em conta as mudanças nos contextos em que os membros de ACT implementam suas iniciativas.

O primeiro dia da Assembleia ofecereu aos participantes a oportunidade de conhecer os progressos alcançados até agora e discutir as lições aprendidas ao longo dos primeiros quatro anos de ACT Aliança.

A pauta da sessão de abertura  incluiu discursos da moderadora de ACT Aliança, Rev. Cornelia Füllkrug-Weitzel, do secretário geral do Conselho Mundial de Igrejas, Rev. Olav Fykse Tveit, do representante do governo da República Dominicana, Rev. Elvis Samuel Medina, e do Sr. Lorenzo Mota King, coordenador do comitê organizador local e secretário executivo do Serviço Social de Igrejas Dominicanas.

Füllkrug-Weitzel enfatizou a importância das mudanças na Aliança que serão propostas à Assembleia. “Fortalecer nosso trabalho, para o benefício das comunidades que atendemos, requer vontade política e comprometimento, mas também capacidade de liderança”, ela disse.

Após os discursos de abertura, a Assembleia foi instalada e passou a tratar dos itens da agenda de trabalho, que incluem os Termos de Referência para o Comitê Facilitador da Assembleia, os demais comitês do evento e a indicação dos nomes para auxiliar o Conselho Mundial de Igrejas na moderação da Assembleia.

O Programa continuou com um painel de discussão sobre as mudanças que ocorrem no contexto humanitário e de desenvolvimento. Elizabeth Kisiigha, diretora de FECCLAHA, Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial, James Davis, do Grupo de Trabalho sobre Segurança e Bem-estar da Aliança ACT, e Julia Duchrow, Coordenadora do Departmento para Direitos Humanos e Paz de Pão para o Mundo, refletiram sobre o significado das mudanças testemunhadas atualmente no mundo para as comunidades pobres e vulneráveis, bem como para ACT Aliança. 
 
Junge utilizou o conceito teológico de “chamado” para referir-se às razões da unidade e fez um chamado à própria Assembleia: “Vamos aproveitar mais o arraigo ecumênico, vamos crescer mais e permitir, portanto, que ACT verdadeiramente se transforme numa expressão tangível do que temos em mente enquanto continuamos nos engajando na peregrinação ecumênica de justiça e paz”, ele disse.
 
Seguiu-se uma rodada de encontros regionais para afirmar os representantes das regiões na junta de governo de ACT e discutir mudanças contextuais e demais assuntos nos comitês regionais da assembleia. 
 
No primeiro dia de trabalho, o mais alto corpo decisório da Aliança também recebeu com apreço as mudanças propostas nos estatutos de ACT, assim como o relatório do Secretário Geral John Nduna. 
 
O relatório de Nduna apresentou os destaques do trabalho realizado pela Aliança  nos últimos anos e refletiu a esperança do impacto transformador de ACT. “Nós caminhamos rumo a um mundo onde toda a criação de Deus vive com justiça, paz e pleno respeito ao meio ambiente”, ele disse.
 
A segunda Assembléia Geral de ACT vai até o dia 25 de outubro e deve aprovar o novo plano estratégico e eleger a nova junta de governo da Aliança.