KOINONIA se solidariza, na dor e na saudade, com os familiares e amigos/as de Chuck Harper

HarperPor Zwinglio M. Dias

O circuito ecumênico internacional e, particularmente, o mundo ecumênico latino-americano, está de luto com a notícia do falecimento, no dia 25 de maio, passado, na pequena cidade de Saint Hilaire d’Ozihan, França, daquele que foi a grande liderança nos esforços do Conselho Mundial de Igrejas para a promoção e defesa dos Direitos Humanos como expressão da dignidade da vida.

Este brasileiro, filho de um casal de missionários estadounidenses, com uma extensa folha de serviços prestados à Igreja Presbiteriana do Brasil, depois de ordenado ao ministério pastoral na então Igreja Presbiteriana Unida dos Estados Unidos,notabilizou-se nos anos sessenta como obreiro fraternal junto a CIMADE, (organismo formado por movimentos de juventude protestantes na França)defendendo os direitos dos trabalhadores imigrantes argelinos. Nesse período teve papel destacado na organização da fuga de cerca de sessenta jovens africanos que estudavam em Portugal, para o território francês,ameaçados pela polícia secreta do regime de Salazar. Mais tarde como diretor do Centro Internacional John Knox, em Genebra,atuou de forma decisiva na ajudaa líderes religiosos perseguidos durante as lutas de libertação de Angola, Moçambique e Cabo Verde.

A partirde 1973 e durante quase 20 anos, Chuck Harper dirigiu o Escritório de Direitos Humanos do CMI para a América Latinanum período marcado pelas ditaduras sangrentas que assolaram o continente sul- e centro-americano. Sob sua direção este escritório do CMI teve papel destacado na ajuda a refugiados perseguidos em países como Chile, Argentina, Uruguai, Brasil, Bolívia, Perú e demais países do sub-continente. No caso do Brasil, além de prover condições para a saída do país de centenas de perseguidos políticos Chuck Harper, em nome do CMI, criou as condições para o financiamento e proteção dos dados documentais coligidos pelo projeto “Brasil: Nunca Mais”, desenvolvido sob os auspíciosda arquidiocese de S. Paulo, na pessoa do Cardeal Paulo Evaristo Arns e o Pastor Jaime Wright. Dados esses que eram microfilmados e enviados, por motivo de segurança, para o escritório em Genebra. Em 2011 esse conjunto de informações foi entregue ao governo brasileiro, mais precisamente à Procuradoria Geral da República e colocado à disposição do público no website “Brasil: Nunca Mais Digital”.

Significativa foi também sua atuação junto às vitimas das ditaduras no Cone Sul, especialmente no Chile, Argentina e Uruguai, com forte apoio aos organismos de Direitos Humanos desses países e às organizações eclesiásticas e para-eclesiásticas deresistência ao truculento autoritarismo dos governos ditatoriais e envolvidas nas lutas por direitos e pelo respeito à dignidade da vida.

Como reconhecimento pelo importante esforço de solidariedade desenvolvido a partir do Conselho Mundial de Igrejas, mas em estreito contato e colaboração com as Igrejas-membro da América Latina, Chuck Harper foi condecorado em 2010 pelo governo do Chile como membro da Ordem Bernardo 0’Higgins e, em 2014 com a Ordem Comendador de Maiopelo governo argentino.

Preocupado em deixar registro de todo o trabalho que pode conduzir legou-nos três importantes livros:El acompañamiento – Accion Ecuménica por losDerechos Humanos en América Latina: 1970 – 1990 (WCC Publications, 2006);Impunity – AnEthicalPerspective – Six Case StudiesfromLatinAmerica(WCC Publications, 1996); Escape from Portugal: The Church in Action – The Flightof 60 AfricansStudentsto France (Chalice Press, 2015).

Queremos registrar também sua importante contribuição para o livro publicado por Koinonia – Presença Ecumênica e Serviço em parceria com a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, intitulado Memórias Ecumênicas Protestantes: Os Protestantes e a Ditadura: Colaboração e Resistência, no qual nos reporta a ação de resistência dos exilados brasileiros em Genebra.

Ao “encantar-se”, transferindo-separa .a “terceira margem do rio” da vida, para usarmos a metáfora de Guimarães Rosa, Chuck Harper deixa um legado precioso na história do Movimento Ecumênico do século XX: o testemunho de um profeta esperançado que entendeu que “evangelizar é dignificar a vida” e que promover e defender os direitos humanos é ir de encontro ao sentido da própria vida. Embora tristes por sua ausência física, nos alegramos por sua “coragem de ser” o que foi e a incorporamos, ainda mais, em nossa vivência, na esperança de que os seus sonhos e a sua ousadia continuem em nossos gestos de amor e solidariedade.

KOINONIA se solidariza, na dor e na saudade, com os familiares e amigos/as de Chuck Harper assim como com a comunidade ecumênica internacional na certeza de que o Sagrado Mistério da Vida que a todos nos envolve há de confortar nossos corações entristecidos.