Trajetórias de KOINONIA: 2011/2012

Manoela Vianna

Foto: Lançamento do livro “Direitos Quilombolas: um estudo de impacto da cooperação ecumênica” na Ilha da Marambaia

 

De outubro de 2011 a outubro de 2012, as ações promovidas e apoiadas por KOINONIA retratam como fortalecemos a busca pela garantia dos direitos humanos, econômicos, sociais, culturais e ambientais e a promoção do ecumenismo e do movimento ecumênico. 

Por meio do Programa Ecumenismo, Diálogo e Formação, mais de 150 jovens de diferentes confissões e em sua maioria mulheres aprofundaram sua espiritualidade ecumênica em cursos de formação e na participação na Rede Ecumênica de Juventude por Direitos Juvenis (Reju). Criada pelo Fórum Ecumênico Act Brasil, a Reju se manteve no Conselho Nacional de Juventudes (Conjuve), espaço de diálogo com Governo Federal sobre políticas para as juventudes no Brasil.

O público atendido por KOINONIA de Comunidades Negras Tradicionais (CNTs) formado principalmente por  mulheres e jovens melhorou a capacitação na luta por direitos e ampliou a participação em debates. Mais de 200 mulheres participaram de processos de formação em direitos humanos, especialmente culturais e territoriais, para comunidades negras tradicionais da Bahia e Rio de Janeiro. A rede de jovens dessas comunidades – especialmente de candomblé – promoveu diálogos e intercâmbios que potencializam as suas articulações. Em relação à conquista do direito ao território, acompanhada por KOINONIA desde 2000, a comunidade quilombola de Preto Forro (RJ) teve o título de propriedade da terra emitido. 

Ações para a superação da intolerância religiosa também podem se destacar como grande empenho de KOINONIA. Entre os exemplos estão nosso apoio à mobilização e convocação da caminhada inter-religiosa em Itapuã (Salvador, BA) e participação na Caminhada pela Liberdade religiosa no Rio de Janeiro. Casos de intolerância religiosa têm espaço para denúncia em diversos canais de comunicação de KOINONIA, como o Dossiê Intolerância Religiosa. 

Nesse mesmo período, as ações ligadas, direta ou indiretamente, ao Programa Saúde e Direitos alcançaram a marca de 10.000 pessoas entre anotações precisas e valores estimados pelas comunidades atuantes. Esse número pode ser traduzido pelas capacitações de KOINONIA em prevenção ao HIV/AIDS que formaram pessoas, em sua maioria mulheres, que passaram a atuar em suas comunidades. Lideranças capacitadas atuaram como multiplicadores na campanha de incentivo ao diagnóstico precoce.

Em relação à incidência pública, pode-se destacar a campanha Amor lança Fora Todo o Medo. KOINONIA se juntou aos grupos de gays, lésbicas, transexuais e transgêneros pela superação de intolerâncias. A campanha teve grande repercussão em diferentes mídias. 

O fortalecimento da incidência pública provocado por KOINONIA também está ligado à atuação do Programa Trabalhadores Rurais e Direitos. Jovens capacitados por KOINONIA em cursos de agentes culturais ocuparam cargos públicos municipais. Os direitos das juventudes têm sido promovidos por participantes dos cursos.

Mas ainda consideramos como novidades em nossa atuação, o trabalho de resposta a emergências, desenvolvido pelo FEACTBR. KOINONIA liderou o projeto da ACT Aliança, Resposta às Enchentes e Deslizamentos de Terra na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro. 1230 famílias que perderam tudo com a tragédia foram atendidas. A ação emergencial que demandava uma resposta imediata se desdobrou em um outro projeto que refletiria no desenvolvimento local daquelas comunidades, o Projeto de Reabilitação das Famílias em Continuidade ao Apoio à Emergência na Região Serrana. Esse projeto foi promovido por KOINONIA em parceria com o projeto dos Quintais Agroecológicos.  

O ano de 2012 também foi o momento da Rio+20 que provocou a  mobilização de inúmeras organizações não governamentais na Cúpula dos Povos. KOINONIA e Cese foram membros participantes do grupo de articulação da Cúpula e representantes da rede da mobilização ecumênica. A tenda Religiões por Direitos reuniu mais de 40 grupos religiosos e Igrejas. Esse grande evento foi uma ação do FEACTBR, liderada por KOINONIA. A cúpula dos povos é um dos exemplos da continuidade do trabalho de KOINONIA de estreitar as alianças como estratégia na busca pela garantia de direitos. KOINONIA sempre defendeu a relevância das redes de atores da sociedade civil nos processos de transformações social e defesa das populações vulneráveis. 

Assim, nesse período (2011-2012), KOINONIA reforça as diretrizes de seu Plano Estratégico, iniciado em 2010, baseados nos diferentes públicos vulneráveis que já vem acompanhando há quase 20 anos em nosso País e em relações internacionais, em que é central a promoção e vivência do Ecumenismo.

Clique aqui e leia o livro: “Direitos Quilombolas: um estudo de impacto da cooperação ecumênica” na Ilha da Marambaia

Clique aqui e visite o Observatório Quilombola

Conheça o dossiês Aids e Religião e Intolerância Religiosa 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.