Projeto fortalece a ação de mulheres quilombolas do Baixo Sul da Bahia

Márcia Evangelista

Em setembro de 2010 foi dado início ao projeto “Apoio ao fortalecimento político e econômico das mulheres quilombolas do Baixo Sul da Bahia”. O projeto é promovido por KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço, com o apoio do Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA).

Participam do projeto mulheres de 18 comunidades quilombolas do Baixo Sul da Bahia, dos municípios de Camamu (Comunidades Remanescentes de Quilombo de Acarai, Barroso, Garcia, Jatimana, Pedra Rasa, Porto do Campo, Pratigi, Ronco, Tapuia e Pimenteira); Ituberá (Ingazeira, Lagoa Santa, Brejo Grande, Cágados e São João de Santa Bárbara); Nilo Peçanha (Boitaraca e Jatimane) e Igrapiúna (Laranjeiras).

O objetivo é fortalecer a participação política e econômica das mulheres quilombolas nos espaços de decisão política e de comercialização, por meio de um intenso processo de formação que reforce sua reflexão sobre: o tipo de desenvolvimento que querem – desenvolvimento com identidade, respeitando a cultura e os valores tradicionais dessas comunidades; a participação das mulheres quilombolas nos espaços de decisão, nos níveis comunitário, municipal e do Território da Cidadania e todo o debate sobre a organização e a representação quilombola nesses espaços; melhor equilíbrio nas relações com os homens nos processos produtivos, especificamente na comercialização e gestão dos negócios; as políticas públicas para mulheres rurais e para quilombolas e os direitos territoriais das Comunidades Quilombolas.

Intercambio de saberes em comunidades quilombolas no Rio de Janeiro

Uma das atividades do projeto foi a realização de um intercâmbio com mulheres de comunidades quilombolas do Rio de Janeiro sobre os temas: empreendimentos coletivos de mulheres; auto-reconhecimento e direitos territoriais; estratégias de comercialização; agregação de valor cultural e ambiental à produção.

O intercâmbio aconteceu entre os dias 12 e 20 de novembro de 2010, aproveitando a participação das mulheres quilombolas na 4ª Jornada Ecumênica, organizada pelo FE Sul, que contou com a presença de cerca de 300 participantes de todo o Brasil e de outros países da America Latina. A 4ª Jornada Ecumênica reuniu pessoas de diversas expressões de fé, para discutir os temas Ecumenismo, Ecologia, Economia e Vida, a partir de suas experiências de vida e práticas de intervenção social.

Segundo Ana Célia, da comunidade do Barroso: “Foi uma experiência maravilhosa ver a convivência pacífica entre pessoas de diversas religiões. Todos combateram seus preconceitos contra o candomblé, por exemplo, que muita gente tem medo.”

Ao saírem da 4ª Jornada, as mulheres seguiram para o Rio de Janeiro para conhecer as comunidades de Campinho da Independência, em Paraty, Santa Rita do Bracuí, em Angra dos Reis e Ilha da Marambaia, em Mangaratiba. Em cada comunidade as experiências foram diferentes.

Em Campinho o foco principal da visita foi conhecer o processo de organização e implantação da loja de artesanato e do restaurante do quilombo. Estes empreendimentos são resultado da organização da comunidade e das possibilidades criadas a partir da regularização fundiária. Campinho é a única comunidade quilombola que já recebeu o título de propriedade de suas terras.

Em Santa Rita do Bracuí o foco da visita foi entender todo o processo de luta da comunidade para permanência em seu território e a organização política e estratégias utilizadas para continuar lutando pela regularização do território quilombola.

Na Ilha da Marambaia, além de vivenciarem toda a situação de cerceamento de direitos diários dos quilombolas, participaram da Festa da Consciência Negra, realizada nas ruínas da senzala da praia da Armação.

A experiência vivenciada pelo grupo de mulheres foi compartilhada com as demais integrantes das ações do projeto em atividade realizada em Camamu, Bahia.

 

Com informações de Ana Gualberto, assessora do Programa Egbé Territórios Negros de KOINONIA

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.