Juventudes na promoção de direitos e da justiça climática

Márcia Evangelista

Por Jorge Atilio Silva Iulianelli*

Desde 1997 KOINONIA promove ações com juventudes em cidades dos interiores do Nordeste, em especial nas zonas rurais do sertão da Bahia, Pernambuco e Alagoas, cooperando com organizações camponesas como o Pólo Sindical dos Trabalhadores Rurais do Submédio São Francisco (BA/PE), Sindicatos de Trabalhadores Rurais da Bacia Leiteira, Alto e Médio sertão de Alagoas e com a Cooperativa de Banco de Sementes (AL). A principal metodologia que emergiu dessa ação com as juventudes é o Curso de Formação de Agentes Culturais. Em relação às juventudes dos terreiros de Candomblé, de Salvador, a partir de 2007, foi iniciado um conjunto de iniciativas de identificação das demandas dessas juventudes, que culminou com a participação de alguns jovens de terreiros na Rede Ecumênica de Juventude (Reju) e na formação do grupo Obabyan. Em 2010, jovens estudantes noruegueses e a organização Ajuda das Igrejas da Noruega (AIN) propuseram a KOINONIA e outras cinco organizações brasileiras (Fase, Ibase, Viva Rio, Ação Educativa e Diaconia) um programa com as juventudes para a promoção de direitos e justiça climática na cidade.

Para responder a esse desafio, KOINONIA deu início em 2011 a algumas iniciativas junto às juventudes camponesas e dos terreiros de Candomblé de Salvador. Em janeiro, houve uma reunião com lideranças de terreiros de Candomblé de Salvador para expor o propósito do programa e verificar a adesão das lideranças dos terreiros a esta iniciativa. Foram indicadas cinco regiões para a articulação de terreiros na cidade Salvador: Cabula-Beirú, Suburbana, Est. Velha do Aeroporto, Itapoan e Centro. 

Nos dias 8 a 10 de abril foram reunidos 130 jovens dos núcleos de articulação de Delmiro Gouveia e Paulo Afonso para, avaliando os processos de formação de 2010, aprofundarem a adesão das organizações locais e das juventudes ao programa que será desenvolvido por cinco anos. No dia 11 de abril, na sede da CESE, reuniram-se algumas lideranças dos terreiros de Candomblé e alguns jovens indicados pelas lideranças, para maiores esclarecimentos sobre a metodologia do projeto e das iniciativas que serão tomadas. Esse projeto, a partir de KOINONIA, articulará jovens destas três cidades, Salvador e Paulo Afonso, na Bahia, e Delmiro Gouveia, em Alagoas. 

A principal metodologia será a realização de ações culturais, elaboradas, promovidas e socializadas pelos próprios jovens, para promover direitos da juventude e justiça climática nessas cidades. O início das atividades será uma pesquisa aplicada pelos jovens para identificarem as principais demandas de direitos das juventudes nas regiões das cidades em que eles vivem. Para tanto, haverá uma formação de jovens pesquisadores nos dias 6 e 7 de maio. O mais fundamental do projeto será a afirmação das relações inter-geracionais, a valorização das espiritualidades e do respeito inter-religioso, e a promoção das lutas das juventudes por direitos e justiça socioambiental nas cidades. Os saberes locais serão valorizados pelo projeto, incentivando iniciativas produtivas locais que permitam aos próprios jovens gerarem valorização da auto-estima e inserção em cenários de mercado de trabalho local que valorizem o direito das juventudes. Haverá um processo de formação, para geração de ações culturais, iniciativas produtivas e intercâmbio de juventudes ao longo de cinco anos. A interação com as lideranças das organizações tradicionais e dos terreiros é fundamental para o avanço desta iniciativa.

Veja o vídeo com os depoimentos dos jovens participantes do Curso de Formação de Agentes Culturais, acessando: http://palavradejovemrural.blogspot.com/2011/04/depoimentos-de-jovens-sobre-o-curdo-de.html

 

* Assessor de KOINONIA – Presença Ecumênica e Serviço responsável pelo Programa Juventude e Direitos nas Cidades

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.