Festa da Consciência Negra na Ilha da Marambaia

Carolina Maciel

Em comemoração ao dia da Consciência Negra, 20 de novembro, a comunidade quilombola da Ilha da Marambaia, em Mangaratiba/RJ, realizou a tradicional festa em comemoração a data. Além da alegria contagiante e da receptividade do povo local, associações como Arquimar – Associação da Comunidade Remanescente de Quilombos da Ilha da Marambaia; Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Estado do Rio de Janeiro – Acquilerj e Arquisabra – Associação das Comunidades de Quilombos de Santa Rita do Bracuí, em Angra dos Reis/RJ.
O início do evento começou com as palavras do presidente da Arquimar, Dionato de Lima Eugenio, Seu Naná, convidando a todos para a festividade e para todo o acompanhamento do que estava programado para o dia. Para tanto, o grupo de capoeira Muzenza bridou a festa com o jogo levando para a roda, adultos e crianças, ao som das músicas e dos acordes do berimbau. Posteriormente, a leveza da dança do jongo foi encantando cada pessoa que estava no local e mais uma vez, adultos e crianças, manifestavam a beleza da cultura africana.
A assessora de KOINONIA – Presença Ecumênica e Serviço como também do Programa Egbé, Ana Gualberto, proferiu umas palavras para a comunidade encorajando o povo a lutar pelos direitos, pelo território, e incentivando a cada indivíduo não desanimar do processo de regularização dando como exemplo a titulação da comunidade quilombola de Preto Forro, litoral de Cabo Frio/RJ, relembrando sobretudo que nesta comunidade o processo de titulação começou em 2004, tendo o compromisso de titulação assinado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 20 de novembro de 2009, mas a conclusão do processo se deu no dia 26 de outubro.
Na sequência, tomou a palavra o prefeito da cidade de Mangaratiba, Evandro Bertino Jorge, conhecido como Capixaba deixando claro que é compromisso da prefeitura ver realizada a questão da titulação da Ilha da Marambaia.
Por fim, a caprichosa feijoada estava preparada para todos os presentes deliciarem-se. A fila se formou e todos no clima de amizade e descontração almoçaram e trocaram risadas de felicidade por estarem compartilhando juntos um dia de importância histórica para todos, sobretudo, relembrando o líder negro Zumbi dos Palmares. Salve Zumbi!
 
Saiba mais sobre o livro "Direitos Quilombolas: um estudo de impacto da cooperação ecumênica":

Direitos Quilombolas: um estudo de impacto da cooperação ecumênica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.