”Estar presente em um Concílio Geral da IUC é uma experiência enriquecedora…”

Relato de Marilia Schüller, publicado por Manoela Vianna

 

Foto: The United Church of Canada/ Primeiro plano, esquerda para direita: Khadija Haffajee (Conselho Canadense de Mulheres Muçulmanas, Ottawa, Canada), Omega Bula (Diretora Executiva da Unidade Parceiros em Missão da Igreja Unida, Toronto, Canada), Marilia Schüller (GBGM-UMC-KOINONIA, Rio de janeiro, Brasil), Sunita Suna (Associação Mundial de Estudantes Cristãos, Hong Kong, China), Jennifer Henry (KAIROS, Toronto, Canadá), Miguel Tomas Castro (Igreja batista Emanuel, San Salvador, El Salvador ). Segunda plano, esquerda para direita: Ramzi Zananiri (Departamento  de Serviço a Refugiados Palestinos do Conelho de Igrejas do Oriente Médio, Jerusalém, Palestina), Johnson Mbillah (Programa Relações Cristãos e Muçulmanos na África, Nairobi, Kenya), Terence Corkin (Igreja Unida da Austrália, Sidney), Bruce Myers (Igreja Anglicana do Canadá, Toronto).

 

Marilia Schüller: Breve relato sobre participação no 41 Concílio geral da Igreja Unida do Canadá

Foi uma oportunidade especial e uma alegria poder participar do 41 Concílio da Igreja Unida do Canadá (IUC), de 11 a 18 de agosto, na Universidade de Carleton, em Ottawa. Represento KOINONIA no Conselho de Parceiros estabelecido pela Igreja Unida em 2011 e os membros deste Conselho foram convidados a acompanhar e participar deste Concílio Geral.

Estar presente em um Concílio Geral da IUC é uma experiência enriquecedora de muitas maneiras. A oportunidade tornou possível mais um momento de convivência entre os membros do Conselho de Parceiros e também com outros parceiros ecumênicos nacionais e internacionais e a convivência com os delegados (são chamados de comissionados) das igrejas locais, dos distritos e das conferências da IUC de diferentes partes do Canadá. Cada um de nós pode ser parte de um grupo de convivência que incluía oito delegados ao Concílio. Durante as sessões e momentos litúrgicos sempre nos sentávamos à mesma mesa e ali partilhávamos reflexões, ideias e orações em relação aos temas que estavam sendo discutidos.

A vida litúrgica e a vida deliberativa do Concílio estavam dinamicamente integradas, o que deixava evidente o sentido de conjunto de tudo que acontecia ali no Concílio.

Entre tantas experiências marcantes e significativas, gostaria de ressaltar duas delas:

Israel/Palestina

Um dos pontos de pauta do Concílio Geral da Igreja Unida do Canadá (IUC) era o recebimento e aprovação do Relatório do Grupo de Trabalho sobre Políticas em relação a Israel e Palestina. Ao aprovar as recomendações do Grupo de Trabalho, o Concílio Geral aprovou, entre outros elementos, que o relatório e as suas políticas seja amplamente divulgados aos membros da IUC para discernimento, estudo, oração e ação pessoal, que a Igreja continue o chamado à rejeição de todas as formas de violência e de incitações à violência e ódio por todas as partes envolvidas no conflito, que IUC continue a identificar o fim da ocupação da Palestina como necessário para a paz na região.

O Concílio Geral também aprovou que os membros da IUC tomem medidas concretas para apoiar o fim da ocupação da Palestina. O Comitê Executivo do Concílio Geral dará prioridade à criação de uma campanha de educação e ação econômica – boicote – em toda a IUC dirigidos contra um ou mais produtos que podem ser identificados como produzidos ou relacionados com os assentamentos ou os territórios ocupados.  O objetivo da campanha é a conscientização dos membros da Igreja Unida quanto à questão dos assentamentos ilegais e a continuação da ocupação e seu impacto sobre a vida dos palestinos e israelenses.

Acredito na relevância desta ação profética da Igreja Unida. Esta, junta-se  às ações ecumênicas em outras partes do mundo que já promovem ações do gênero e que constroem a transformação e fazem valer a justiça, tornando realidade num futuro próximo, o fim da ocupação da Palestina por Israel.

Eleição de Moderador

A outra experiência marcante e significativa que gostaria de ressaltar, é a eleição do  Rev. Dr. Gary Paterson pastor da congregação de São Andrew – Wesley  da Igreja Unida em Vancouver, para Moderador. O Rev. Gary Paterson tem 63 anos de idade, é casado com Tim Stevenson, que atualmente é vereador em Vancouver e que, historicamente, marcou a vida da Igreja por ser a primeira pessoa abertamente gay a ser ordenada na Igreja Unida do Canadá, há 20 anos. Em junho passado, eles celebraram 30 anos de vida comum.

Em entrevista, Rev. Dr. Gary Paterson, disse que sua orientação sexual não foi um problema durante a eleição, ele admite que ele sabe bem o que é ser tratado como um estranho, como alguém de fora. Ele afirma que: "Um dos dons da Igreja Unida é, de fato, o convite aos gays e lésbicas dizendo: “Vocês não são estranhos, não são “de fora”. Vocês são bem vindos e esta é sua casa. " Ele reconhece, entretanto,  que muitos gays e lésbicas sofreram e sofrem discriminação em congregações de outras tradições cristãs e, nesses casos, ele diz “com o devido respeito, essas tradições fizeram teologias e estudos bíblicos pobres. Ser cristão e gay não são excludentes".

A eleição do Rev. Dr. Paterson como moderador demonstrou mais uma vez o compromisso concreto da Igreja Unida em ser uma igreja inclusiva.

 

Leia mais em Conselho Geral da Igreja Unida do Canadá

Mais informações sobre o conselho no site oficial do encontro

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.