Dia da Consciência Negra na Marambaia

Ana Gualberto

O Dia da Consciência Negra foi comemorado, mais uma vez, nas ruínas da senzala na praia da Armação, Ilha da Marambaia (Mangaratiba, RJ). Cerca de 200 pessoas estiveram presentes na feijoada organizada pela comunidade remanescente de quilombo para comemorar mais um 20 de novembro.

Mesmo com um ano marcado por avanços e retrocessos no processo de regularização fundiária, em que enfrentaram depoimentos em inquéritos militares, a comunidade teve vários motivos para comemorar. A compra de um gerador, equipamento fundamental em um local que não possui energia elétrica, com os recursos da própria associação, e a aquisição de atabaques, instrumento fundamental para a expressão cultural da comunidade. Juntaram-se a alegria de receber pessoas queridas em seu território.

O resgate das práticas culturais na ilha avança a cada ano. Hoje além do Grupo Cultural Filhos da Marambaia, a comunidade tem um grupo de jongo e um grupo de capoeira. “Neste 20 de novembro o jongo voltou a ser dançado na senzala da Marambaia.” Foi assim que Vânia Guerra, presidente da associação de remanescentes de quilombo apresentou o grupo de jongo que está resgatando esta prática na ilha.

Além da apresentação do grupo de jongo a festa contou com apresentações de capoeira, um grupo de Hip Hop e com o Grupo Cultural Filhos da Marambaia.

A festa foi marcada pela confraternização entre os presentes, a alegria de receber os amigos em casa. Mesmo com todas as tentativas de dificultar a entrada na Ilha os convidados da comunidade estavam presentes e compartilharam da energia ancestral emanada pelo local. Membros da comunidade quilombola de Alto da Serra esteve presente e se emocionaram ao pisar num local que fala por si mesmo e por compartilhar com seus irmãos quilombolas de um momento onde o principal era sorrir e comemorar.

Embora o momento fosse focado na comemoração a comunidade não esqueceu seu foco principal de luta durante estes últimos anos: a regularização de seu território. Nas falas e em faixas a luta foi lembrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.