CONIC emite declaração sobre Ética e Eleições 2010

Márcia Evangelista

Presidentes das igrejas-membro que compõem o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic) estiveram reunidos no dia 25 de maio, por ocasião da reunião do Conselho Curador. O objetivo do encontro foi analisar balancetes fiscais e fazer uma análise da Semana de Oração e da Campanha da Fraternidade Ecumênica. O Conselho Curador também refletiu sobre os temas: Ética na política e Eleições 2010. A partir desta reflexão foi elaborada uma declaração orientando os cristãos para as eleições de 2010.

Participaram da elaboração da declaração os representantes-membros do Conic: dom Dimas Lara Barbosa, secretário geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB); dom Maurício de Andrade, bispo primaz da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB); pastor doutor Walter Altmann, Presidente da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB); pastor Enoc Wenceslau, moderador da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil (IPU); padre Joanilson Pires do Carmo, da Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia; pastor sinodal Carlos Möller, presidente do Conic e reverendo Luiz Alberto Barbosa, secretário geral do Conic.

 

DECLARAÇÃO DO CONIC SOBRE ÉTICA NA POLÍTICA E ELEIÇÕES 2010

Não podeis servir a Deus e ao dinheiro” (Mateus 6:24)

Nós, representantes das igrejas-membro que compõem o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), Igreja Católica Apostólica Romana, Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Igreja Presbiteriana Unida do Brasil e Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia, temos por dever a missão de orientar, em um ano eleitoral, a Sociedade Brasileira na busca de uma classe política cada vez mais comprometida com a ética, que esteja preocupada com os interesses da população e não com os seus próprios interesses.

Por ocasião da reunião do Conselho Curador do CONIC, e com base no que temos colhido em nossas igrejas com as pessoas com as quais convivemos diuturnamente, queremos falar sobre as questões sociais, econômicas e éticas que angustiam o Povo Brasileiro. De nossas Igrejas chegam-nos expressões de preocupação e muitas vezes espanto, acompanhadas de insatisfação e desilusão em relação à classe política de nosso país. A voz dessas pessoas deve ser ouvida, não negligenciada; afinal, o poder está nas mãos do povo que, de tempos em tempos, elege representantes para defender os interesses da coletividade. Em vista disso, esperamos nos políticos que forem eleitos em outubro, que prezem pela ética como um valor inalienável, para não ver cair na desmoralização e descrédito generalizado todos aqueles que são representantes do povo, comprometendo a boa reputação das Instituições Democráticas deste País.

Lembrando a recente Campanha da Fraternidade Ecumênica, que com o tema “Economia e Vida” tratou da perversidade do modelo econômico vigente e de alternativas para incluir os menos favorecidos, é preciso que sejam refletidas maneiras de contemplá-los em seus direitos e necessidades básicas. Nesse sentido, é necessária uma profunda reforma na educação do país, de modo que se possam atender as demandas da economia sem, contudo, transformar pessoas em meras peças de reposição do sistema econômico. Para isso, uma visão integral da natureza humana é essencial, pois o ser humano precisa fundamentalmente de atenção, cuidado e reconhecimento, e de um meio ambiente protegido e seguro para viver.

Por fim, parabenizamos o Povo Brasileiro, que através da pressão popular, conseguiu que o projeto de lei denominado “Ficha Limpa”, após passar pela Câmara dos Deputados, fosse aprovado no Senado Federal na semana passada. Tal iniciativa comprova que é possível mudar. Em vista disso, uma reforma política séria, feita com parâmetros éticos e em parceria das diversas instâncias da sociedade civil organizada é imprescindível. Incentivamos, portanto, que todos os cidadãos brasileiros, inclusive os residentes no exterior, expressem seus anseios na hora do voto, procurando eleger pessoas comprometidas com o bem-estar da população, candidatos que, depois de eleitos, não se esqueçam daqueles que os elegeram, colocando o bem comum acima dos interesses partidários ou pessoais.

Certos de que tempos melhores virão com os ares renovados da nova política, também aqui vale a exortação de Jesus de que não se pode servir a Deus e ao dinheiro (Mateus 6:24). Pedimos a Deus que guarde e abençoe a todos os brasileiros deste imenso país chamado Brasil.

Brasília, 25 de maio de 2010

Dom Dimas Lara Barbosa;

Secretário geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Dom Maurício de Andrade;

Bispo primaz da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB).

Pastor Doutor Walter Altmann;

Presidente da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB).

Reverendo Enoc Wenceslau;

Moderador da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil (IPU).

Padre Joanilson Pires do Carmo;

Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia.

Pastor Sinodal Carlos Möller;

Presidente do CONIC.

Reverendo Luiz Alberto Barbosa;

Secretário geral do CONIC.

Fonte: Conic

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.