Celebração ecumênica marca os 60 anos do CMI

Márcia Evangelista

“Lado a lado haveremos todos de trabalhar.

Lado a lado haveremos todos de trabalhar.

Uns aos outros honrando, vamos nos respeitar”

(trecho do hino “No Espírito Unidos” – versão de J. Costa)

No dia 20 de setembro, o “Conexões Ecumênicas” celebrou na Igreja Presbiteriana da Praia de Botafogo (RJ), os 60 anos do Conselho Mundial de Igrejas – CMI. A partir de sua fundação, em 1948, o CMI tem sido um instrumento primordial das igrejas para promover a busca da unidade cristã e de todos e todas que lutam pela paz, justiça e integridade da criação; fomentar o testemunho e o serviço conjunto.

A celebração contou com a presença de representantes de igrejas comprometidas com a proposta do CMI, além de representantes de religiões de matriz africana do Rio de Janeiro. A direção do evento ficou a cargo do Rev. João Valença, da Igreja da Presbiteriana da Praia e contou ainda com a participação do Rev. Eduardo Dutra, da Igreja Presbiteriana da Vila Proletária da Penha, Dom Filadélfo de Oliveira, da Diocese Anglicana do Rio de Janeiro e do Rev. Presbiteriano Zwinglio Mota Dias, que conduziu a mensagem do evangelho.

A celebração teve início com a leitura de um memorial das nove assembléias realizadas pelo CMI nesses 60 anos. A última assembléia foi realizada em Porto Alegre, no ano de 2006, e teve como tema “Deus, em tua graça, transforma o mundo”.

As religiões de matriz africana estiveram representadas pela yalorixá Torody D’Ogum, por Mãe Lu D’Ogum e Mãe Marilene; e José Luis Santos Carvalho. Em sua fala, a yalorixá Torody fez uma saudação a todos e destacou a importância daquele momento, e lembrou os esforços que têm sido feitos por todos aqueles que lutam contra a intolerância religiosa.

Um dos momentos mais emocionantes da celebração foi a homenagem feita por Jorge Atílio Iulianelli aos companheiros e companheiras do ecumenismo, com a leitura dos nomes daqueles que escreveram e ainda escrevem a história do ecumenismo na América Latina e no Brasil.

A palavra do evangelho, ministrada pelo Rev. Zwinglio Mota Dias, teve como base Lucas 8:4-15. Em sua fala ele chamou a atenção para a unidade dos cristãos e não cristãos. “Deus quer que tenhamos a coragem e a ousadia de acolher, de abraçar o diferente de nós. O movimento ecumênico é um movimento de milhares de pessoas, é um sonho de estar junto. Jamais seremos humanos se permanecermos sozinhos. Estar com alguém é a condição da existência do homem”, destacou em sua mensagem.

Ao final da celebração, Dom Filadélfo de Oliveira ministrou a partilha da Eucaristia.

Noite de autógrafos do livro “Ecumenismo e Diálogo Religioso”

Após a celebração todos os presentes foram convidados a participar do lançamento e de seção de autógrafos do livro Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso – A arte do possível, da Editora Santuário e que tem como autores o Rev. Zwinglio Mota Dias e Faustino Teixeira.

O livro trata de um tema fundamental para o século XXI: a possibilidade do diálogo entre igrejas diferentes e entre culturas e tradições religiosas diversas, que vivenciam diferentes formas de crer e de compreender o mundo, o ser humano e Deus.

O evento foi promovido por Conexões Ecumênicas, com o apoio de KOINONIA, PROFEC, CEBI, CESE, IPU, IPI, IEAB, IP – Praia.

Os 60 anos em outros estados

A comemoração pelos 60 anos do CMI envolve grupos e pessoas do movimento ecumênico nacional, preocupadas em manter vivo o processo do diálogo inter-religioso.

Para isso estão sendo organizados encontros em outros estados. No Rio Grande do Sul, a comemoração foi marcada para o dia 29 de setembro, com promoção do Conic – Conselho Nacional de Igrejas Cristãs/RS; e no dia 20 de outubro será a vez da Bahia, com promoção da Cese – Coordenadoria Ecumênica de Serviço e da Comunidade dos Saletinos em Pernambués.

Saiba mais:

60 anos do CMI

Em 2008, os membros do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) celebram o 60º aniversário de sua promessa: Estamos decididos a permanecer juntos. Desde sua fundação em 1948, o CMI tem sido o instrumento primordial das igrejas na promoção e na busca da unidade cristã. O CMI reúne hoje 349 igrejas e denominações em mais de 110 países e territórios de todo o mundo. Fazem parte do Conselho as Igrejas católicas, protestantes históricas, anglicanas, batistas, luteranas, metodistas, reformadas, a maioria das Igrejas ortodoxas e diversas Igrejas independentes. Atualmente o CMI apóia ações de abertura ao diálogo inter-religioso.

Mais informações: www.oikoumene.org

Conexões Ecumênicas

O movimento ecumênico tem sido construído por pessoas que se encontram e se abrem ao encontro do outro, da outra, do diferente. Dessa partilha nasceu “Conexões Ecumênicas”, encontros que reúnem grupos e pessoas para a troca de experiências. A visão do ecumenismo, para esses grupos inclui a busca da unidade de todos que lutam por Justiça, Paz e Integridade da Criação, de todos que têm fé; de todas as pessoas que têm fé cristã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.