Campanha Nacional de Combate à Intolerância Religiosa

Márcia Evangelista

“O vento sopra onde quer, ouvimos a sua voz,

Mas não sabemos de onde vem, nem para onde vai…”

(Evangelho de João 3.8)

 

Rede Ecumênica da Juventude – REJU – 2011

1. A campanha

A Campanha Nacional Contra a Intolerância Religiosa, a partir de 21 de janeiro – Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa – junto com o Combate ao Extermínio da Juventude, são ações propostas pela REJU para este 2011, em todas as regiões do Brasil.

As Rejus, nas cinco regiões, pretendem desenvolver reflexões, parcerias e ações com as juventudes, denunciando as intolerâncias e propondo práticas, não só de tolerância, mas de convivência ecumênica.

2. Apresentação

O versículo que nos inspira nesta Campanha Nacional pertence ao evangelho de João, um texto escrito para uma comunidade asiática muito dividida, com muitas brigas, buscando criar caminhos de unidade. Eram comunidades lideradas, também, e preferencialmente por mulheres. Brigavam entre si os(as) seguidores(as) de João Batista, os gnósticos, os judaizantes, para falar apenas de alguns grupos. A seqüência do texto: ouvimos a sua voz, mas não sabemos de onde vem, nem para onde vai; é parte da mensagem de Jesus. Tem um sentido claramente missionário, pois estamos todos(as) a serviço do Espírito, deste vento que sopra e tem um nome: Liberdade! O trecho é parte do texto que tem a controvérsia de como podemos nascer de novo, como podemos nascer do Espírito.

Toda experiência religiosa é sempre um nascimento novo, um renascer. No Candomblé há essa fé muito arraigada da comunidade com a ancestralidade, onde se entende que somos todos(as) um. É a união do Orum com a terra. Todos(as) estamos ligados(as) e os orixás nos fazem viver essa força, o axé. O axé tem essa dimensão de vir de não se sabe onde e seguir para qualquer lugar, é o vento que sopra, é a força do Espírito. É interessante que na doutrina judaica não há, propriamente, uma teologia do Espírito Santo, porque o monotéismo judaico não distinguiu as três pessoas da divindade, como o fez o Cristianismo. Porém, o judaísmo fala da Ruah, o sopro de Deus. A imagem do sopro, da brisa, está no livro dos Reis, na história de Elias, por exemplo, que ouve trovões, barulhos fortes e depois ouve a brisa, e na brisa é que Deus se revela. A brisa, o vento que sopra, Deus que se mostra para cada uma e cada um de nós, como essa força unificadora, que nos faz buscar sermos aquelas e aqueles que buscam fazer a terra ser habitável para todas e todos, na força do Espírito, com o axé, na busca da Maíra de tudo (a Terra sem Males, dos Guarani)

Jorge Atílio Iuanelli, da Equipe Interdisciplinar da Reju

3. Agenda

21/01 (sexta) – Celebração Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa: Na Chácara Shalom, em Teutônia, RS, com os jovens e as suas famílias reunindo mais de 50 pessoas, no acampamento de verão do CLJ -Curso de Liderança Juvenil – ICAR. Nos dias que seguem serão propostos momentos de integração, e desafios para 2011. Juntos(as), reveremos valores e revigorados(as) pela alegria da partilha e convivência, somado a campanha da Reju, nos colocaremos como protagonistas de uma atuação missionária, pois, aceitar e respeitar o outro(a), são valores e posturas centrais de nosso dever cristão, que só se torna real quando realmente é executado de forma consciente. Responsável: Duda, Reju Sul.

23/01 (domingo), 11 horas – Celebração Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa: Na Paróquia Anglicana da Santíssima Trindade, Praça Olavo Bilac, nº 63. Campos Elíseos, São Paulo, SP. Tel/Fax: 11- 36678161 ou 11- 36678161. Próximo a Estação Metrô Marechal. Responsável: Daniel Souza, Reju SP.

29/01 ou 29/02 – Preparação e divulgação da campanha em PE, PB e RN: Responsável: Íris Charlene, Reju NE.

 

Histórico – O Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa foi criado a partir de um caso de intolerância religiosa de grande repercussão nacional: o caso da mãe de santo Gildásia dos Santos e Santos, conhecida como Mãe Gilda, que adoeceu e morreu após ter sua foto publicada em uma matéria no jornal Folha Universal, da Igreja Universal do Reino de Deus, com o título Macumbeiros charlatões lesam o bolso e a vida dos clientes”. Os filhos e marido de Mãe Gilda entraram com ação na justiça, que condenou a Igreja Universal, em agosto de 2009, a pagar R$145,2 mil de indenização

 

Saiba mais sobre a Reju, acessando: http://www.redeecumenicadajuventude.org.br

 

Fonte: Rede Ecumênica de Juventude e KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.