A história e experiência de um agricultor de Alagoas na Jornada

Márcia Evangelista

Luta e esperança num cenário de tragédia

A história e experiência de um agricultor de Alagoas na 4ª Jornada Ecumênica

Por Lizandra Carpes da Silveira

Um dia após uma devastadora enchente Alessandro saiu da cidade vizinha a Santana do Mundaú, União dos Palmares, no estado de Alagoas. Ele partiu às nove da manhã, mas só conseguiu chegar em casa às 19h30min. Levou dez horas pra percorrer o percurso que normalmente faz em 25 minutos. Ao chegar ao local, em vez de uma cidade, deparou-se com uma montanha de lixo. A população do local estava ilhada há quatro dias. Os primeiros socorros demoraram a chegar a um dos lados do rio e somente depois de quinze dias conseguiram atender a outra margem. Alessandro Claudino de Araújo tem 31 anos, é pai de dois filhos é um dos participantes da 4ª Jornada Ecumênica, que acontece entre 11 e 15 de Novembro em Itaici, São Paulo.

Alessandro é membro do movimento sindical dos agricultores na região de União dos Palmares e não foi atingido pela tragédia natural que assolou Santana do Mundaú, mas relata com comovente precisão o que vem testemunhando no trabalho de ajuda humanitária desenvolvido por Koinonia e demais parceiros da ACT Aliança no local.

Santana do Mundaú tinha cerca de 12.000 habitantes e após a tragédia não contava com infraestrutura de abrigo para todas as pessoas que tiveram suas casas destruídas.  Para resolver esse problema, aqueles que não perderam suas casas hospedaram amigos e parentes em suas próprias residências. Na casa de Alessandro ficaram 32 pessoas.

A recuperação do município começou com a chegada das máquinas que passaram a trabalhar para tapar uma enorme cratera no centro da cidadezinha. Depois de dez dias,uma equipe médica passou a prestar assistência contínua. Segundo Alessandro, os médicos já haviam trabalhado no atendimento a feridos na recente tragédia no Haiti. A ajuda chegou de todas as partes do Brasil. Foi neste ínterim que Alessandro e comunidade de Santana do Mundaú teve contato com o trabalho de ACT Aliança.

O trabalho de ajuda de ACT Aliança na região vem sido liderado por Koinonia, organismo que tem parcerias internacionais, como Christian Aid, e já vinha gerenciando um projeto de desenvolvimento voltado para jovens em zonas rurais daquela região. Alessandro relata que a ajuda chegou num momento de grande precariedade de cestas básicas, remédios e colchões. O sentimento do agricultor é de gratidão e de luta para manter e auxiliar projetos como esse.

Além desse auxílio Alessandro contou com a experiência de quem vivia bem em comunidade. Na região onde tem um sítio, as pessoas trabalham a agricultura familiar. Todos têm a sua terra, mas na unidade um cuida da terra do outro. Celebram com uma partilha na hora do almoço com todos os familiares e tudo é dividido. Em mutirão arrastaram postes para reinstalar a energia elétrica. São várias famílias.

A convite da Fetag, Alessandro chegou na 4ª jornada ecumênica, que neste segundo dia de trabalhos reflete sobre o tema da ecologia. Ele procurou dividir suas experiências e buscar novas formas de trabalho para seu município. O sentimento de estar na jornada e partilhar sua vida com os/as jornadeiros/as, Alessandro não conseguiu medir com palavras. O acolhimento amenizou a maioria das dificuldades.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.