Relação da cultura do estupro e as comunidades religiosas foi tema de roda de conversa em São Paulo

IMG_3261Roupas, comportamento, bebida, horário, companhias. Quando temos uma mulher no papel de vítima de um crime, os questionamentos feitos são muitos. Pensando nisso, a Rede Religiosa de Proteção à Mulher Vítima de Violência promoveu um debate sobre a relação da cultura do estupro e as comunidades religiosas. O evento aconteceu na Igreja Metodista em Vila Mariana, no dia 22 de outubro, com cerca de 30 participantes.
 
IMG_3273Para somar esforços, o encontro contou com a facilitação de Sandra Duarte, teóloga, professora da Universidade Metodista e coordenadora do grupo de estudos de gênero. Provocando o público, a reflexão que deu início à atividade foi: “você conhece um estuprador?”. Como esperado, a inquietude tomou conta do ambiente. Sandra explicou que é fundamental conhecer os personagens para que a cultura do estupro seja compreendida. As religiões, de acordo com ela, nas suas especificidades, acabam contribuindo com a desigualdade de gênero. A identificação deste problema torna possível um trabalho de enfrentamento e superação da violência já que “as religiões alcançam as casas das pessoas antes do Estado”.
 
A peça chave para avanços no combate à cultura do estupro é o questionamento do que é tido como natural. “A cultura não é um dado natural. Entendê-la desta maneira é tornar normal a violência. Quando falamos em cultura do estupro estamos abordando comportamentos aprendidos e que são reforçados por diversos mecanismos de reprodução de sentido, como a mídia, a escola, a ciência e a religião”, explicou.
 
Sensibilizados com o tema, alguns participantes levaram para a roda casos reais que ilustraram o que estava sendo explicado. Zilá Pupo, membro da Igreja Metodista da Vila Mariana, por exemplo, lembrou ser a primeira mulher de sua família a frequentar uma escola. “Tenho esperança de que as novas gerações valorizem as mulheres, tirando-as debaixo dos panos, onde ficavam caladas e escondidas. Eventos como este mostram que as coisas podem mudar”.
 
Para Sandra, ter um espaço como o que é proporcionado pela Rede Religiosa de Proteção à Mulher Vítima de Violência é uma ótima saída. “Podemos unir forças. Geralmente, os parceiros impedem que as mulheres saiam e visitem suas famílias e amigos, mas não as impedem de ir à comunidade religiosa. Fazer deste lugar um ambiente de conforto e denúncia é uma ótima ferramenta de enfrentamento à violência”.
 
Finalizando, o pastor William Melo, da comunidade Metodista, deixou um recado a todos os presentes: “Precisamos tirar esse véu de perfeição religiosa. O primeiro passo é assumir nossos erros e encarar isso com mais honestidade para que seja possível o trabalho de enfrentamento”.