Celebração pelo Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa

Natasha Arsênio com revisão de Manoela Vianna

Foto: Evento em 2013/ Acervo KOINONIA

A Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) promove o “Cantando A Gente se Entende” hoje, 24 de janeiro, a partir das 19h, na Cinelândia. O evento quer chamar atenção para a importância da convivência entre os diversos credos.

“Neste ano o projeto se torna muito importante pelo fato de que teremos uma banda da igreja A Voz de Deus, que é neopentecostal. Estar ao palco junto a representantes de outros credos mostra respeito por parte desses religiosos”, diz o interlocutor da CCIR, babalawo Ivanir dos Santos.

O palco ficará em frente ao Theatro Municipal e por ele passarão nomes como o ogan Tião Casemiro, o ogan Taina, o padre Omar e a banda Afro Gospel. Candomblecistas, umbandistas, espíritas, muçulmanos, judeus, budistas, ciganos, wiccans, católicos, seguidores da Fé Bahá’í, hare Krishnas, evangélicos e outros representantes religiosos aguardam o evento com entusiasmo.

KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço apoia o evento e participa apresentando a campanha “O Amor Lança Fora Todo Medo”, contra todas as formas de intolerância.

Símbolo de luta
Em 2000, uma sacerdotisa do Candomblé faleceu após ver seu rosto na capa do jornal Folha Universal com a manchete “Macumbeiros charlatões lesam o bolso e a vida de clientes”. Vítima de um enfarte, Gildásia dos Santos e Santos, conhecida como Mãe Gilda, deixou filhos e marido. A data de sua morte (21 de janeiro) serviu para estabelecer, desde 2007, o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa.

O caso Mãe Gilda ficou conhecido mundialmente. Ela era moradora e fundadora do Ilê Asé Abassá de Ogum, terreiro de Candomblé localizado nas imediações da Lagoa do Abaeté, bairro de Itapuã, Salvador (BA).

Sua filha e atual Ialorixá da casa, Jaciara Ribeiro dos Santos, moveu uma ação contra a Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) por danos morais e uso indevido de imagem. Com o apoio de KOINONIA, em convênio com a Associação de Advogados de Trabalhadores Rurais do Estado da Bahia (AATR-BA), a Igreja Universal (Iurd) foi condenada em primeira instância. O caso chegou à segunda instância, mas em julho de 2005 a Iurd foi condenada pelo Tribunal de Justiça da Bahia, que confirmou a decisão da primeira instância por unanimidade.

Serviço:
Cantando A Gente se Entende
Data:
24 de janeiro de 2014
Local: Cinelândia
Horário: 19h

Veja os registros feitos no Cantando a Gente se Entende em 2013
Conheça o caso da Mãe Gilda
Saiba como KOINONIA participou do processo de defesa da Mãe Gilda

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *