6ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa

Natasha Arsenio

No dia 8 de setembro, o ponto de encontro de representantes e seguidores de diferentes doutrinas e religiões foi na 6ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa, que aconteceu em Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro.

Há seis anos a luta contra a intolerância religiosa ganhou força com esta ação promovida pela Comissão de Combate à Intolerância Religiosa. Com o lema “caminhando a gente se entende”, a marcha reúne umbandistas, ciganos, judeus, católicos, evangélicos, candomblecista, budistas, wiccanos, ateus e outras doutrinas,mostrando que, independente do credo, o bom convívio é possível.

Outros objetivos para os quais a caminhada busca chamar atenção são a implementação da Lei 10.639/03, que institui os ensinos das histórias da África e da Cultura Afro-brasileira nas escolas do Brasil, e a formulação do Plano Nacional de Combate à Intolerância Religiosa.

KOINONIA esteve presente na caminhada com a campanha “Amor lança fora todo medo”. De acordo com Rafael Soares, diretor executivo de KOINONIA, participar do evento é dar continuidade a luta que já vem de 1994 para que no país se respeite a Lei e a Constituição. Ainda de acordo com Soares, o evento, que já faz parte da agenda nacional, aponta para a necessidade da internacionalização da sua divulgação, como um testemunho do Brasil para o mundo. – Infelizmente os conflitos religiosos tem acontecido no Brasil às custas de vidas, tal como a morte na Ilha de Itaparica em 2012, acompanhada judicialmente e divulgada por KOINONIA. – lembra o diretor, que também é Ogan no Candomblé, uma das religiões mais atingidas pela intolerância.

Lucas Ramos, umbandista que participou pela primeira vez da caminhada, considerou o ato muito importante: – Pelo respeito entre as crenças, a caminhada prova que é possível que predomine o sentimento de harmonia. Além disso, nos lembra que a luta em defesa de nossa liberdade de escolha ganha ainda mais força quando estamos unidos. – conclui. 

Veja as fotos da caminhada no Facebook
Visite o dossiê intolerância religiosa
Leia o Fala Egbé

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *