Cartilha Projetos

A Cartilha Projetos tem o objetivo de organizar conhecimentos e experiências neste campo para capacitar agentes quilombolas para o acesso a recursos de fontes e agências financiadoras nacionais e internacionais, bem como de órgãos do governo, para custear seus projetos.

Baixar arquivo

Cartilha Religião e Violência Contra a Mulher

KOINONIA lança a cartilha “Religião e Violência Contra a Mulher”, resultado das Rodas de Conversas sobre Religião e Violência contra a Mulher organizadas pelo Programa Saúde e Direitos por meio da Rede Religiosa de Proteção à Mulher Vítima de Violência.

O material instrumentaliza o início deste trabalho junto às comunidades religiosas por meio de relatos, impressões e expressões de mulheres que vivem a religiosidade através de uma perspectiva singular.

Baixar arquivo

Cartilha Violações

Acaba de sair a segunda da série de três publicações produzida por KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço, em parceria com a Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Estado do Rio de Janeiro (Acquilerj).

A cartilha mostra as violações e a desigualdade que afetam as comunidades quilombolas e informa sobre como defender direitos, além do que significa lutar por um conjunto de garantias que se interligam. O material é fruto do projeto Apoio ao Fortalecimento Político e Protagonismo das Comunidades Quilombolas do Rio de Janeiro.

Esta é mais uma publicação que surge da demanda frequentemente expressa pelas mulheres e homens quilombolas ao lado dos quais KOINONIA tem atuado desde 1997, quando seu Programa Egbé Territórios Negros, dedicado a superação das desigualdades raciais e da intolerância religiosa, incorporou a defesa de direitos dos quilombolas.

Também é importante destacar que, durante as atividades promovidas pelo projeto que originou a cartilha, foram colhidos depoimentos de quilombolas sobre os temas abordados, registrando em suas próprias palavras alguns dos desafios em busca de melhores condições de vida.

Baixar arquivo

Cartilha Direitos

Em 2007, durante um encontro entre KOINONIA e comunidades quilombolas e negras rurais do estado do RJ atendidas pelo Programa Egbé Territórios Negros, lançamos a primeira edição da Cartilha Direitos. Naquela época, os procedimentos de regularização fundiária eram outros. Apesar das promessas de que as mudanças no processo resultariam em mais titulações – uma vez que supostamente anulariam as ações de setores opositores -, o quadro geral não se alterou.

Embora ainda estejamos comemorando o título concedido à comunidade de Preto Forro, de Cabo Frio (RJ), o processo de titulação dos territórios quilombolas se tornou ainda mais lento e burocrático, os conflitos não diminuíram e, portanto, a dívida do Estado para com essas comunidades está longe de ser sanada.

Diante desse contexto, vimos a necessidade de elaborar uma nova edição. De lá para cá, os encontros e capacitações continuaram ocorrendo junto a diversas comunidades do Estado do Rio de Janeiro e da Bahia, o que só fez enriquecer nosso conhecimento sobre a realidade e os direitos das comunidades.

Hoje, portanto, chega às suas mãos uma versão revisada e atualizada da Cartilha Direitos. Aqui, além das principais informações e dicas sobre como reivindicar os direitos das comunidades negras rurais quilombolas, trazemos textos que analisam o cenário político atual, buscando oferecer instrumentos que concedam cada vez mais autonomia às comunidades. Afinal, saber é poder!

Baixar arquivo

Candomblé: Diálogos Fraternos para Superar a Intolerância Religiosa

Este livro é uma edição revista e ampliada, continuidade de um consenso inédito entre várias casas de candomblé e marca um protesto vivo contra a intolerância religiosa. Cada terreiro participante dos debates registrados nestas páginas empenhou-se em contribuir para a confirmação dos princípios comuns a todos os outros, mantendo o respeito a diferntes práticas, sem abandonar suas convicções religiosas

Baixar arquivo

Águas do Rei

“Acredito que a Antropologia e História devem trabalhar de mãos dadas nesse domínio, onde há que vencer a barreira de muitos preconceitos”. Com esta convicção o antropólogo Oderp Serra apresenta reflexões que serão um marco na produção antropológica brasileira.
Sem receio do confronto intelectual e das ideias, ele se atira de maneira obstinada à compreensão de aspectos fundamentais da história do Brasil, favorecendo o resgate de uma dimensão esquecida ou precariamente considerada.
Não se consegue ler estes ensaios sem se sentir profundamente tocado pelas revelações neles contidas. Escrito de modo apaixonado e polêmico, como cabe a um bom baiano de Cachoeira, o livro representa um avanço nas questões um dia já abordadas pela academia e garante a uma grande maioria a compreensão dos valores, sentimentos e modelos de realidade que se acham incorporados à visão de mundo de grandes parcelas de nosso povo.
Para o autor, “o sincretismo católico-afro-brasileiro não resultou apenas de equívocos induzidos por uma cristianização precária ou tão-somente de artifícios empregados pelos negros para assegurar a realização de seu culto sob a capa de atos devocionais cristãos”. Ordep Serra acentua, de forma inovadora, o genuíno interesse teológico, por parte dos fundadores do rito afro-brasileiro, de conhecer, interpretar e dominar intelectualmente a religião do Novo Mundo para onde foram trazidos.
Mergulhar nas Águas do Rei é uma aventura em busca do insondável e do inefável da religião dos orixás.

Autor: Ordep Serra
KOINONIA/Vozes. 1995. 366 p.

Meio Ambiente

Educação ambiental. Uma abordagem pedagógica dos temas da atualidade
Aurélio Vianna e outros
CEDI/KOINONIA/Ação Educativa/CRAB. 1994. 2ª edição. 88 p.

Grandes projetos hidrelétricos e
desenvolvimento regional
Carlos B. Vainer e Frederico Guilherme B. de Araújo
CEDI. 1992. 88 p.

O Pólo Sindical e a luta dos atingidos pela barragem de Itaparica. Políticas de desenvolvimento no Vale do São Francisco
Aurélio Vianna e Laís Menezes
CEDI/KOINONIA. 1994. 48 p.

Série Leituras da Bíblia

Lutero. Vol. 1

Calvino. Vol. 2
Milton Schwantes (org.)
CEDI. 1991. 56 p.

Wesley. Vol. 3
Milton Schwantes (org.)
CEDI/Editeo. 1991. 48 p.

Método histórico-crítico. Vol. 4
Milton Schwantes (org.)
CEDI. 1992. 92 p.