Debate de conjuntura com a Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito

Essa semana receberemos no escritório de São Paulo a Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito pra um debate sobre a conjuntura do nosso país e propostas de ações conjuntas na afirmação de direitos!

Convidados:

Ariovaldo Ramos – ex-presidente da AEVB (Associação Evangélica Brasileira) e um dos fundadores da Frente de Evangélicos Pelo Estado de Direito

Anivaldo Padilha – metodista e um dos fundadores da Frente de Evangélicos Pelo Estado de Direito

Débora Medeiros – médica psiquiatra, pesquisadora em políticas de saúde (Unicamp) e analista de conjuntura

 

Data: 18/04/2018

Horário: 19:00

Local: Rua do Carmo, 56 – Praça da Sé – São Paulo

 

 

Defender direitos não é crime

“O servo não é maior do que o seu senhor.
Se a mim perseguiram, também vos perseguirão.”
Jo 15,20

A Semana Santa começou com grande sofrimento para a Prelazia do Xingu. Fomos surpreendidos na manhã do dia 27 de março com a notícia da prisão de nosso Padre José Amaro Lopes de Sousa, pároco da paróquia de Santa Luzia de Anapu.
Manifestamos nossa fraterna solidariedade a esse incansável defensor dos direitos humanos, defensor da regularização fundiária, da reforma agrária e dos assentamentos de sem-terra. Há anos alvo de ameaças, Padre Amaro agora é vítima de difamação para deslegitimar todo o seu empenho em favor dos menos favorecidos.
Repudiamos as acusações de ele promover invasões de terras que são reconhecidas pela Justiça como terras públicas, destinadas à reforma agrária, mas se concentram ainda nas mãos de pessoas economicamente poderosas.
Padre Amaro atua desde 1998 na Paróquia Santa Luzia. É líder comunitário e coordenador da Pastoral da Terra (CPT). O assassinato da Irmã Dorothy em 12 de fevereiro de 2005 no Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) “Esperança”, não mais o deixou quieto e o fez continuar a missão daquela Irmã mártir.
Acompanhamos apreensivos a investigação e elucidação dos fatos e insistimos que a verdade seja apurada com justiça e total transparência.
A Semana Santa nos recorda a Paixão e Morte do Senhor na cruz, muito mais ainda a Ressurreição de Jesus. Na Páscoa celebramos a vitória da Vida sobre a morte, mas também da Verdade sobre todas as mentiras.
Altamira, 28 de março de 2018
Dom João Muniz Alves, bispo do Xingu
Dom Erwin Kräutler, bispo emérito do Xingu

Vivência no Ilê Axé kalè Bokùn com estudantes da Universidade de Hamburgo

Foto: Ivana Flores

Com apoio de KOINONIA e a Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE), aconteceu no dia 22 de março a recepção dos 10 alunos de Ciências Sociais da Religião da Universidade de Hamburgo (Alemanha).

A atividade foi realizada no terreiro de candomblé Ilê Axé Kalè Bokùn, localizado em Salvador, e teve como objetivo uma troca de conhecimento como forma de promoção da paz.

Nos dois dias de troca de experiências com filhos e filhas do terreiro Ilê Axé Kalè Bokún e alunos e alunas do Colégio Estadual Ypiranga, os participantes debateram sobre contexto religioso brasileiro, a história do candomblé Jeje, intolerância religiosa, racismo e a situação da população negra no estado da Bahia.

Nota do FE ACT Brasil sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco e Anderson Gomes

Pois não há sinceridade, nem amor ao próximo,
nem conhecimento de Deus na terra.
Multiplicam-se mentiras, assassinatos…:
sangue derramado segue-se a sangue derramado.
Por isso, a terra está desolada” (Os 4.1c -3)
O Fórum Ecumênico ACT – Brasil, integrado por igrejas e organizações baseadas na fé,  expressa sua solidariedade aos familiares, amigos e amigas, militantes sociais e ao PSol pelo assassinato da vereadora e ativista Marielle Franco e de Anderson Gomes,  ocorrido em 14 de março de 2018.
Marielle, mulher, negra comprometida com as lutas e as causas das populações periféricas é uma das muitas mortes de ativistas de direitos humanos que ocorreram nos últimos meses em nosso país. Nesta declaração, lembramos os nomes das lideranças assassinadas somente nesse ano de 2018: Paulo Sérgio Almeida Nascimento – líder comunitário no Pará (+13/03/2018), Márcio Oliveira Matos líder do MST – Bahia (+26/01/2018), Leandro Altenir Ribeiro Ribas – líder comunitário – Rio Grande do Sul (+19/01/2018), Jefferson Marcelo – líder comunitário – Rio de Janeiro (+04/01/2018), Carlos Antônio dos Santos – líder do movimento agrário – Mato Grosso (+08/02/2018), George de Andrade Lima Rodrigues – líder comunitário – Recife (+23/02/2018), Valdemir Resplandes – líder do MST – Pará (+09/01/2018).
Estas mortes refletem o cenário político e econômico de aumento do autoritarismo e foram provocadas pela desigualdade estrutural mantida pelas elites econômicas e políticas do país. Um projeto de país que não tolera sua população indígena e negra, as mulheres, as pessoas LGBTTs nem tolera trabalhadoras e trabalhadores organizados não pode superar a violencia ou construir uma democracia de fato.
O assassinato de Marielle apresenta características de execução. A Vereadora era relatora da Comissão responsável por acompanhar a intervenção de caráter militar na Cidade do Rio de Janeiro. O temor deste crime, assim como muitos outros, cair no esquecimento é alto. As investigações de sua morte e a de Anderson Gomes precisam ser imparciais, desvinculadas da própria intervenção militar e acompanhadas por organizações e setores da sociedade civil com capacidade e isenção. Isto porque é frágil a confiança por parte da sociedade civil em relação às instituições que deveriam zelar pela garantia dos direitos humanos.
Em função disso, expressamos nosso apoio para à recente criação da Comissão Externa que acompanhará as investigações do assassinato de Marielle Francco e Anderson Gomes, bem como da Comissão Externa que acompanhará intervenção militar no Rio de Janeiro. Também solicitamos oficialmente à ONU, em especial, ao Relator Especial das Nações Unidas para Execuções Extrajudiciais, Sumarias ou Arbitrarias que visite o Brasil a fim garantir a imparcialidade das investigações deste assassinato e que apresente suas próprias recomendações sobre o aumento de execuções de indígenas, afrodescendentes, mulheres, jovens, LGBTIQ, ocorridas nos últimos dois anos em nosso país.
O fascismo, o racismo, a misoginia e o ódio de classes não são compatíveis com uma sociedade democrática, nem tão pouco com nossa fé.
FORUM ECUMÊNICO ACT – BRASIL

Conversas históricas: Da Barroquinha à Casa Branca do Engenho Velho

A história tem algo a nos ensinar sobre o que fazer hoje? Podemos pensar o futuro com olhares sobre a resistência cultural passada?
A historiadoras Lisa Earl Castillo e Ana Gualberto e o antropólogo Rafael Soares vão abrir essa conversa com quem quiser chegar para compartilhar. A casa é nossa, pode chegar..
O Espaço Cultural Vovó Conceição, OTerreiro da Casa Branca e KOINONIA convidam para Conversas Históricas: Direitos na diáspora – da Barroquinha à Casa Branca do Engenho Velho, que acontecerá na próxima quarta feira (14) às 10h no Terreiro da Casa Branca. Av. Vasco da Gama 463. Salvador- BA
Apoio CESE.

Mulheres Quilombolas: resistir e transformar!

Foto: Ivana Flores

Em comemoração pelo Dia Internacional da Mulher foi realizado no dia 7 de março o seminário Mulheres Quilombolas: resistir e transformar! Pelo direito à vida e garantia dos territórios. Essa atividade reafirmou o compromisso na luta por justiça, equidade e promoção do empoderamento das mulheres negras.

Com a participação de 100 mulheres, o evento foi realizado em parceria KOINONIA com as comunidades quilombolas do Barroso, Jetimana/Boa Vista e o Assentamento Dandara dos Palmares. O evento também contou com a participação de Olivia Santana (PcdoB e Secretária estadual do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte); Ana Celsa (Serviço de Assessoria a Organizações Populares Rurais-SASOP); e Marilene dos Santos Silva (Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Camamu).

 

Você pode assistir os vídeos aqui, aqui e aqui.

Este evento foi promovido pelo projeto “Comércio com identidade: mulheres negras quilombolas do Baixo Sul da Bahia”, apoiado pela Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte do Governo do Estado da Bahia – SETRE e Brot fur die Welt.

 O projeto “Comércio com identidade: mulheres negras quilombolas do Baixo Sul da Bahia” tem o objetivo de apoiar o comércio da produção de mulheres quilombolas de três comunidades do Baixo Sul da Bahia, para fortalecer e ampliar redes femininas e mistas de economia solidária. Investe no reconhecimento da identidade quilombola e das desigualdades de gênero com duplo objetivo: consolidar o sentido dessas redes como meio de redução das desigualdades de gênero, aumentando a presença das mulheres no comércio; e estimular a participação política delas a partir do debate de suas demandas políticas.

Roda de conversa “Mulheres, violência, paz e intolerâncias”

Nos últimos anos, o Brasil tem assistido ao crescimento brutal das intolerâncias: contra as diferentes vivências da sexualidade, as identidades de gênero, os grupos raciais não-brancos, e as religiões de matriz africana. O mundo também passa por situações de acirramento de posições extremas e maior presença de discursos de ódio na cena pública. O que acontece quando as intolerâncias se misturam como agora? Quem é que as sente mais?

No 8 de março #8M#DiaInternacionaldaMulher, elas, de diferentes tradições de pensamento e de fé, vão debater esta realidade. São mulheres do Brasil e de Israel, que compõem um movimento internacional pela paz, na roda de conversa “Mulheres, Violência, Paz e Intolerâncias”. Você pode participar! Acompanhe, na quinta, às 17h30, pela página de KOINONIA e envie sua pergunta!

Mulheres Quilombolas: resistir e transformar!

Pelo direito a vida e garantia dos territórios!

Reafirmando nosso compromisso na luta por justiça e equidade, KOINONIA e as comunidades quilombolas do Barroso e Jetimana/Boa Vista e o Assentamento Dandara dos Palmares convidam para mais um evento de promoção do empoderamento das mulheres negras.

Este evento é promovido pelo projeto “Comércio com Identidade”, apoiado pela SETRE e Brot fur die Welt. 
Quando? Dia 7 de março às 8:00
Onde? Na sede do STTR Camamu

 


Evento gratuito!
Venha com a gente!
Saiba mais sobre o projeto em http://koinonia.org.br/projetos-e-iniciativas